sexta-feira, 16 de julho de 2010

1687 - HISTÓRIA DOS BIBLIOTECONOMISTAS

AchaNoticiasCampo de busca No site Na web Busca Avançada Agência de Notícias Brasil ÁrabeCamara de Comercio Árabe BrasileiraAmba 5 anosTwitter RSS O que é isso? Sobre a ANBA Anba na Mídia Expediente Parcerias Fale Conosco Mapa do Site Acessibilidade English Version Últimas Notícias Economia » Agronegócio » Corrente Comercial » Finanças » Fronteira Sul » Indústria » Macro » Moda e Franquia » Oportunidades de Negócios » Tecnologia PolÍtica » Diplomacia » ASPA Energia » Agroenergia » Elétrica » Petróleo e Gás Cultura e Sociedade » Artes » Desenvolvimento Sustentável » Educação » Esportes » Meio Ambiente » Serviços Turismo Pequenas Exportam Oriente-se Especiais Agenda Oriente-seTamanho da fonte:[-A] [+A]
31/05/2010 - 19:30
400 árabes, seus filhos e netos
O Al-Máhjar, centro de estudos da imigração árabe no Brasil, que pertence ao Icarabe, já coletou cerca de 400 histórias de imigrantes árabes e descendentes. O banco de dados será objeto de estudo.

Isaura Daniel isaura.daniel@anba.com.br São Paulo – Jamile Abou Nouh, moradora de São Paulo e descendente de libaneses, tem 56 anos. Mas faz pouco tempo que ela se dirigiu ao seu pai, que vive em Paranavaí, no Paraná, com algumas perguntas sobre as origens da família. Jamile anotou tudo o que o pai, um senhor de 82 anos, contou e agora vai enriquecer a história dos árabes no Brasil com dados sobre a sua família. Ela pretende registrar a sua história no Al-Máhjar, um centro de estudos da imigração árabe no Brasil mantido pelo Instituto de Cultura Árabe (Icarabe). O Al-Máhjar mantém um site que entrou no ar em 2008 e onde as pessoas podem escrever a história dos seus laços com os árabes. De acordo com a diretora cultural e científica do Icarabe, Soraya Smaili, já foram deixadas no site ao redor de 400 histórias.

Isaura Daniel/ANBA
Soraya: Al-Máhjar fará estudo aprofundado sobre a imigração
A maioria das histórias é de imigrantes ou descendentes de árabes, como Jamile, mas o projeto também aceita que pessoas sem origem árabe, mas ligadas à região ou a cultura de lá, contem sobre os seus laços com eles. O objetivo é fazer da ferramenta um grande banco de dados sobre a imigração árabe no Brasil. O material deixado ali pelas pessoas será todo compilado e a partir dele feito um estudo mais aprofundado sobre a imigração. O objetivo final é transformar o conteúdo em um livro. Parte do material, porém, deve entrar no site, para consultas, ainda neste ano, segundo Soraya. Além das histórias escritas, o banco de dados também deve ter documentos escaneados e fotos.

Apesar do site ser um meio importante para coletar dados sobre os imigrantes, o trabalho do centro de estudos vai mais adiante. Além de recolher histórias em massa, estão sendo feitas entrevistas, com pessoas selecionadas, para um relato e coleta de dados mais profundos. No total serão 50 entrevistas. "Vamos entrevistar Milton Hatoum, Adib Jatene, mas também vamos entrevistar anônimos", afirma Soraya, cuja diretoria é responsável pelo núcleo cultural, que, por sua vez, toma conta do centro de estudos de imigração árabe no Brasil. As entrevistas também passarão por uma análise profunda e serão objeto de um livro e de um filme. As entrevistas devem ocorrer no decorrer deste e do próximo ano.

Profissionais especializados acompanham o projeto de história oral como voluntários. Samira Osman, por exemplo, é doutora em História, especializada em história oral, Sabrina Moura também é historiadora, com experiência em organização de documentos e iconografia. Outros colaboradores são Geraldo Godoy Campos, sociólogo, que vai participar do estudo do material, e Dolores Biruel, biblioteconomista, também da área de documentação. Os quatro são coordenadores do Al-Máhjar. Também o cineasta Otávio Cury está colaborando e é responsável pelas filmagens. Todos são voluntários.

Do mestre

"Cada um tem que escrever a sua história. Cada um tem que contar a história do seu pai, do seu avô, contar algo da sua ligação com a cultura árabe.” Foram mais ou menos estas palavras, ditas repetidas vezes pelo geógrafo Aziz Ab’Saber, presidente de honra e uma espécie de "guru" do Icarabe, que inspiraram os líderes do instituto a criarem o Al-Máhjar. Tudo começou com a formatação de um projeto de patrimônio imaterial que foi encaminhado para um edital da Petrobras. "A gente fez esse projeto sem muita clareza, na tentativa de começar a organizar as idéias. Não ganhamos o edital, mas foi importante para dar o passo seguinte que foi criar um grupo de trabalho e estudos da imigração", diz Soraya.

O projeto atual do Al-Máhjar foi formatado, então, em 2007, e no final daquele ano mesmo foi lançado, em um evento na Casa das Rosas, na capital paulista. A página do centro, com o link para a captação das histórias, foi posta na internet logo em seguida. "A gente quer se aprofundar um pouco mais em relação ao que já foi feito", conta Soraya, sobre as análises e estudos que devem ser realizados em cima do banco de dados. "E o nosso objetivo é fazê-lo público porque aí ele se torna grande. Grande não no sentido de poderoso, mas à altura do que é essa imigração, uma imigração que tem 130 anos ou mais", diz a diretora.

E Jamile?

A história de Jamile deverá estar lá quando o banco de dados do Al-Máhjar for público. A descendente de libaneses acompanha o Icarabe, e é sócia da entidade, desde que ela começou a funcionar, em 2004. Ela afirma que procurou o instituto na tentativa de se aproximar das suas origens. "Minha mãe era brasileira e meu pai é libanês. Como eu não falo árabe, não me sentia nem bem brasileira e nem bem libanesa, mas quando comecei a ir aos eventos da Icarabe, vi que havia muita gente como eu", conta.

Arquivo Pessoal
Jamile: pai libanês e mãe brasileira
O pai de Jamile veio para o Brasil aos 25 anos, em 1952, sem falar português. No ano seguinte casou-se com a mãe de Jamile. Ele desembarcou em Santos, porto paulista, mas foi para o interior do Paraná. "Mascateou muito, a pé por quilômetros e quilômetros. Depois comprou um cavalo, mais adiante comprou dois cavalos e uma carroça", relata. Acabou se estabelecendo com uma loja da área têxtil, ramo no qual ainda atua.

Muçulmano praticante, apesar da idade, reza cinco vezes ao dia e em 2008 foi a Meca fazer a peregrinação, o que já havia feito uma vez, há quinze anos. Dos filhos, três seguiram o caminho profissional do pai e ficaram no comércio. Outros três seguiram pelos caminhos da engenharia civil, administração de empresas e psicoterapia, esta última a profissão de Jamile, que também trabalha na Assembléia Legislativa de São Paulo.

Serviço:
Registre sua história com os árabes:
Site: www.icarabe.org
(no link Al-Máhjar, na seção Conte sua História)
Enviar por e-mail Imprimir Comente
Enviar por e-mail
A matéria pode ser enviada para até 5 pessoas. Os e-mails devem ser separados por ponto-e-vírgula.

Enviar para:

Seu nome:

Email:

Comentarios:


3 Comentários
1. Jamile Abou Nouh
01/06/2010 - 18:31

Meu pai vai ficar muito feliz e orgulhoso! Receberá como homenagem e por isto, agradeço muito.

2. MAHMED TUFIK LAUAR
03/06/2010 - 23:10

O MEU PAI, SR. TOUFIC KASSEM EL-AWAR E MINHA MÃE, SRª JAMEL HOSSAIN EL-AWAR VIERAM DE KORNAYEL - PROVÍNCIA DE MONTE LÍBANO - LÍBANO, EM 1952, COM DOIS FILHOS, WALID TOUFIC EL-AWAR E KHALED TOUFIC EL-AWAR, E TIVERAM 4 FILHOS NO BRASIL, RACHID TUFIK LÁUAR, MAHMUD TUFIK LÁUAR, MAHMED TUFIK LÁUAR E TÁRIK TUFIK LÁUAR. A VINDA DE MEUS PAIS AO BRASIL FOI MOTIVADA PELO TIO MAHMED KASSEM EL-AWAR, BEM COMO O CUNHADO DE MEU PAI, O TIO HOSSAIN, QUE MORAVAM NA CIDADE DE POTÉ-MG, ONDE ENCONTRAVAM-SE OUTROS PARENTES. O MEU PAI VEIO PARA O BRASIL DE NAVIO, POR NOME DE SEBASTIÃO CABOTO, CUJA VIAGEM DUROU 28 DIAS. QUEM OS RECEBEU NO RIO DE JANEIRO, A PEDIDO DO MEU TIO MAHMED FOI O ASSAD EL-AWAR, CONHECIDO POR FILIPINHO, MORADOR DA CIDADE DE MANHUAÇÚ-MG, CIDADE PRODUTORA DE CAFÉ. O MEU PAI TOUFIC KASSEM EL-AWAR E MINHA JAMEL FORAM MORAR NA CIDADE DE NOVO CRUZEIRO-MG, ONDE TAMBÉM ENCONTRAVAM-SE OUTROS PARENTES, ENTRE ELES O TIO DA MINHA MÃE DE NOME MAHMUD SALMEN EL-AWAR. NAQUELA CIDADE MEU ESTABELECEU COMERCIALMENTE COM UMA LOJA. MORAMOS NAQUELA CIDADE DE 1952 A 1972, ANO EM QUE MUDAMOS PARA BELO HORIZONTE A FIM DE DARMOS CONTINUIDADE AOS ESTUDOS. O MEU PAI FALECEU EM 15/03/2009 AOS 88 ANOS. HOJE MINHA TEM 81 ANOS. O FILHO MAIS VELHO,WALID TOUFIC EL-AWAR, NASCIDO EM 1949, VEIO DO LÍBANO, É APOSENTADO PELO GOVERNO DE MINAS. O SEGUNDO FILHO, KLALED TOUFIC EL-AWAR VEIO DO LÍBANO, É FISIOTERAPEUTA NO INSTITUTO DOS SERVIDORES DO ESTADO DE MINAS GERAIS. O TERCEIRO FILHO, RACHID TUFIK LÁUAR É REPRESENTANTE COMERCIAL. O QUARTO FILHO MAHMUD TUFIK LÁUAR, BACHAREL EM DIREITO, É AGENTE DE POLÍCIA CIVIL EM MINAS GERAIS. O QUINTO FILHO MAHMED TUFIK LÁUAR, É ADMINISTRADOR DE EMPRESAS E ANALISTA DE GESTÃO EM POLÍTICAS PÚBLICAS EM DESENVOLVIMENTO, E TRABALHA NA SECRETARIA DE ESTADO DE GOVERNO, EM MINAS GERAIS. POR ÚLTIMO O TÁRIK TUFIK LÁUAR, É BACHAREL EM DIREITO E INSPETOR REGIONAL DA POLÍCIA CIVIL DO ESTADO DE MINAS GERAIS. DESDE MUITO CEDO, EM 1964, MEU PAI EDUCOU OS FILHOS NA MÚSICA, E TODOS SÃO MÚSICOS E CANTORES. TEMOS UM CONJUNTO DE SERESTA, ONDE TODOS FILHOS TOCAM E CANTAM E FAZEM O TRABALHO DE FILANTOPIA, APRESENTANDO-SE EM ASILOS, LEPROSÁRIOS, CASAS DE SAÚDE, COMO A SANTA CASA DE MISERICÓRDIA. VÁRIAS VEZES TOCAMOS EM CASAMENTOS DE BODAS DE PRATA E OURO, CONVIDADOS POR AMIGOS FILHOS DE PAIS QUE CELEBRAVAM AQUELAS DATAS. DOS SEIS FILHOS, 5 SÃO CASADOS, WALID CASADO COM A ELIANE HENRIQUE MARTINS EL-AWAR, QUE TEM 4 FILHOS, INGRID, LÍVIA, EMANUEL E A IASMIM; KHALED QUE TEM DOIS FILHOS CHAMADOS WALID E FERNANDA; RACHID, SUA ESPOSA IRENE FRANCISCO TEIXEIRA EL-AWAR,OS FILHOS TÁRIK RACHID TEIXEIRA EL-AWAR E MAHMUD RACHID TEIXEIRA EL-AWAR; MAHMUD TUFIK LÁUAR E MARIA TERESA LÁUAR, NÃO TEM FILHOS; E MAHMED TUFIK LÁUAR, SUA ESPOSA MARIA ISABEL POTTIER LÁUAR, SEUS FILHOS TOUFIC MAHMED POTTIER LÁUAR E ISABELA MAHMED POTTIER LÁUAR

3. daniel
07/06/2010 - 14:35

é muito interessante

Comente
Todos os campos devem ser preenchidos. Seu e-mail não será visualizado. O comentário será enviado para o moderador antes de ser publicado. Para informações, dúvidas ou sugestões, favor utilizar o canal Fale Conosco.

Comentarios:

Seu nome:

Email:

Outras notícias[06/07/2010 - 13:30]

Histórias árabes no Nordeste brasileiro

[09/06/2010 - 12:30]

Uma nova história da África

[18/05/2010 - 18:40]

O cineasta libanês de Lampião

[09/05/2010 - 07:00]

As memórias perdidas de Constantino Cury

[25/04/2010 - 07:00]

Resgate carioca em Bagdá

[20/04/2010 - 12:13]

Os jardins de um tunisiano

[18/04/2010 - 07:00]

Amado pelos árabes

[04/04/2010 - 07:00]

Editora publica livros para estudantes de árabe

[08/03/2010 - 17:04]

São Paulo recebe exposição de arte líbia

[04/03/2010 - 08:30]

Egiptomania invade museu do Paraná

< Anterior Próxima >
NewsletterCadastre-se aqui para receber as novidades do site direto em seu e-mail.

Nome: Email: © ANBA 2003 - 2008 | Todas as matérias poderão ser reproduzidas desde que citada a fonte.



COPYRIGHT DEVIDO AOS AUTORES DO TEXTO.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Contador de visitas