quinta-feira, 22 de novembro de 2012

FORMAS DE GOVERNO: SOCIALISMO

SocialismoOrigem: Wikipédia, a enciclopédia livre.Ir para: navegação, pesquisa Socialismo v • e




Correntes[Expandir] Socialismo africano

Socialismo árabe

Socialismo fabiano

Comunismo

DeLeonismo

Socialismo democrático

Eco-Socialismo

Socialismo de guilda

Socialismo libertário

Socialismo de mercado

Socialismo Revolucionário

Social anarquismo

Social democracia

Economia de mercado socialista

Socialismo utópico



Socialismo religioso[Expandir] Socialismo budista

Socialismo cristão

Socialismo judaico

Socialismo islâmico



Assuntos centrais[Expandir] Crítica do socialismo

História do socialismo

Economia socialista

Estado socialista

Tipos de socialismo



Pessoas e organizações[Expandir] Lista de socialistas

Primeira Internacional

Segunda Internacional

Terceira Internacional

Quarta Internacional

Internacional socialista

FMJD

UIJS



Assuntos relacionados[Expandir] Anarquismo

Autogestão

Luta de classes

Democracia

Ditadura do proletariado

Igualitariasmo

Igualdade de condição

Impossibilismo

Internacionalismo

Marxismo

Revolução proletária

Socialismo em um único país

Sindicato

Utilitarismo





Socialismo refere-se a qualquer uma das várias teorias de organização econômica advogando a administração e a propriedade públicas ou coletivas dos meios de produção e distribuição de bens e de uma sociedade caracterizada pela igualdade de oportunidades/meios para todos os indivíduos com um método mais igualitário de compensação[1]. O socialismo moderno surgiu no final do século XVIII tendo origem na classe intelectual e nos movimentos políticos da classe trabalhadora que criticavam os efeitos da industrialização e da sociedade sobre a propriedade privada. Karl Marx afirmava que o socialismo seria alcançado através da luta de classes e de uma revolução do proletariado, tornando-se a fase de transição do capitalismo para o comunismo[2][3].



A maioria dos socialistas possuem a opinião de que o capitalismo concentra injustamente a riqueza e o poder nas mãos de um pequeno segmento da sociedade que controla o capital e deriva a sua riqueza através da exploração, criando uma sociedade desigual, que não oferece oportunidades iguais para todos a fim de maximizar suas potencialidades.[4]



Friedrich Engels, um dos fundadores da teoria socialista moderna, e o socialista utópico Henri de Saint Simon defendem a criação de uma sociedade que permite a aplicação generalizada das tecnologias modernas de racionalização da atividade econômica, eliminando a anarquia na produção do capitalismo.[5][6] Isto irá permitir que a riqueza e o poder sejam distribuídos com base na quantidade de trabalho despendido na produção, embora não haja concordância entre os socialistas sobre como e em que medida isso poderia ser conseguido.



O socialismo não é uma filosofia de doutrina e programa fixos; seus ramos defendem um certo grau de intervencionismo social e racionalização económica (geralmente sob a forma de planeamento económico), às vezes opostos entre si. Uma característica da divisão do movimento socialista é a divisão entre reformistas e revolucionários sobre como uma economia socialista deveria ser estabelecida. Alguns socialistas defendem a nacionalização completa dos meios de produção, distribuição e troca, outros defendem o controle estatal do capital no âmbito de uma economia de mercado.



Índice [esconder]

1 História

2 Correntes

2.1 Socialismo utópico

2.2 Socialismo científico

2.3 Anarquismo

2.4 Socialismo cristão

3 Socialismo real

4 Divergências

5 Críticas ao socialismo

6 Partidos socialistas lusófonos

7 Ver também

8 Referências

8.1 Bibliografia

9 Ligações externas





[editar] HistóriaSocialistas inspirados no modelo soviético de desenvolvimento econômico têm defendido a criação de economias de planejamento central dirigido por um Estado que controla todos os meios de produção. Sociais democratas propõem a nacionalização seletiva das principais indústrias nacionais nas economias mistas, mantendo a propriedade privada do capital da empresa e de empresas privadas. Social democratas também promovem programas sociais financiados pelos impostos e regulação dos mercados. Muitos democratas sociais, especialmente nos estados de bem-estar europeus, referem-se a si mesmos como socialistas. O socialismo libertário (incluindo o anarquismo social e o marxismo libertário) rejeita o controle estatal e de propriedade da economia e defende a propriedade coletiva direta dos meios de produção através de conselhos cooperativos de trabalhadores e da democracia local de trabalho.



O socialismo moderno se originou no século XVIII em movimentos políticos intelectuais e da classe trabalhadora, criticando os efeitos da industrialização e da propriedade privada na sociedade. Os socialistas utópicos, incluindo Robert Owen (1771-1858), tentaram encontrar formas de criar comunas auto-sustentáveis por secessão de uma sociedade capitalista. Henri de Saint Simon (1760-1825), o primeiro a utilizar o termo socialismo, foi o pensador original que defendia a tecnocracia e o planejamento industrial.[7] Os primeiros socialistas previram um mundo melhor, através da mobilização de tecnologia e combinando-a com uma melhor organização social. Os primeiros pensadores socialistas tendem a favorecer uma autêntica meritocracia combinada com planejamento social racional, enquanto muitos socialistas modernos têm uma abordagem mais igualitária.



Vladimir Lenin, com base em ideias de Karl Marx, de "baixa" e "alta" fases do socialismo,[8] definiu o "socialismo" como uma fase de transição entre o capitalismo e o comunismo.[9]



[editar] CorrentesPate da série política sobre

Socialismo



Correntes

Socialismo africano

Socialismo árabe

Comunismo

DeLeonismo

Socialismo democrático

Eco-socialismo

Democracia econômica

Socialismo de guilda

Socialismo libertário

Socialismo melanesiano

Socialismo de mercado

Socialismo Revolucionário

Social anarquismo

Social-democracia

Economia de mercado socialista

Socialismo utópico

Socialismo no terceiro mundo





Socialismo religioso

Socialismo budista

Socialismo cristão

Socialismo islâmico





Assuntos centrais

Crítica do socialismo

História do socialismo

Economia socialista

Estado socialista

Tipos de socialismo





Pessoas e organizações

Lista de socialistas

Primeira Internacional

Segunda Internacional

Terceira Internacional

Quarta Internacional

Internacional Socialista

FMJD

UIJS





Assuntos relacionados

Anarquismo

Autogestão

Luta de classes

Democracia

Ditadura do proletariado

Igualitarismo

Igualdade de condições

Impossibilismo

Internacionalismo

Marxismo

Revolução proletária

Socialismo em um único país

Sindicato

Utilitarismo



Portal de política · v • e



[editar] Socialismo utópico

Estátua de Robert Owen em Manchester.A reação operária aos efeitos da Revolução Industrial fez surgir críticos ao progresso industrial que propunham reformulações sociais e a construção de uma sociedade mais justa.[10] Os primeiros socialistas, ao formularem profundas críticas ao progresso industrial, ainda estavam impregnados de valores liberais.[10] Atacavam os grandes proprietários, mas tinham, em geral, muita estima pelos pequenos, acreditando ser possível haver um acordo entre as classes sociais.[10] Elaboraram soluções que não chegaram, porém, a constituir uma doutrina, e sim modelos idealizados, sendo por isso chamados de utópicos.[10]



Um dos principais teóricos dessa fase inicial do socialismo era o conde francês Claude de Saint-Simon, que havia aderido à revolução de 1789.[10] Um racionalista, como a maioria de seus contemporâneos, propôs em Cartas de um habitante de Genebra (1802), a formação de uma sociedade em que não haveria ociosos (como ele considerava os militares, os religiosos, os nobres e os magistrados) nem a exploração econômica de grupos de indivíduos por outros.[10] Propôs, ainda, a divisão da sociedade em três classes: os sábios, os proprietários e os que não tinham posses.[10] O governo seria exercido por um conselho formado por sábios e artistas.[10]



Outro teórico da fase inicial do socialismo foi o francês Charles Fourier, que, ao lado de Pierre Leroux, teria sido um dos primeiros a utilizar a palavra "socialismo".[11][12]. Filho de comerciantes, era herdeiro da ideia de Jean-Jacques Rousseau de que o homem é naturalmente bom, mas a sociedade e as instituições o pervertem.[10] Acreditava ser possível reorganizar a sociedade a partir da criação de falanstérios, fazendas coletivas agroindustriais. Nunca conseguiu o apoio de empresários para levar o projeto adiante, apesar de alegar que os falanstérios superariam a desarmonia capitalista, surgida da divisão do trabalho e do papel anárquico exercido pelo comércio na sociedade.[10] Após sua morte, alguns falanstérios surgiram no continente americano, como os de Réunion e da Falange Norteamericana nos Estados Unidos e o do Saí no Brasil.



A expressão "socialismo" foi consagrada por Robert Owen na anglosfera a partir de 1834.[12] Jovem administrador de uma fábrica de algodão em Manchester, observou de perto as condições desumanas de trabalho e se revoltou com as perspectivas do desenvolvimento industrial.[10] Defendendo a impossibilidade de se formar um ser humano superior no interior de um sistema egoísta e explorador como o capitalismo, buscou a criação de uma comunidade ideal, de igualdade absoluta.[10] Na Escócia, onde assumiu o controle de algumas fábricas de algodão em New Lanark por 25 anos, Owen chegou a aplicar suas ideias, implantando uma comunidade alto padrão, na qual as pessoas trabalhavam dez horas por dia e tinha acesso a instrução de alto nível.[10] O sucesso da cooperativa e suas críticas à propriedade privada e à religião, no entanto, levaram Owen a abandonar a Grã-Bretanha e se refugiar nos Estados Unidos, onde fundou a comunidade de New Harmony no estado da Indiana.[10] Após presenciar, em seu retorno ao Reino Unido, a falência de suas cooperativas, dedicou-se, no fim da vida, à organização de sindicatos.[10]



[editar] Socialismo científicoParalelamente às propostas do socialismo utópico, surgiu o socialismo científico, cujos teóricos propunham compreender a realidade e transformá-la mediante a análise dos mecanismos econômicos e sociais do capitalismo, constituindo, assim, uma proposta revolucionária do proletariado.[10] Daí se origina o termo "científico", uma vez que seus teóricos se baseavam numa análise histórica e filosófica da sociedade, e não apenas nos ideais de justiça social.[13]



O maior teórico dessa corrente foi o filósofo e economista alemão Karl Marx, que contou com a contribuição do compatriota Friedrich Engels em muitas de suas obras.[10] No Manifesto Comunista (1848), Marx e Engels esboçaram as proposições do socialismo científico, que seriam definidas de forma completa em O Capital, obra mais conhecida de Marx, que causaria uma verdadeira revolução na economia e nas ciências sociais.[10] Entre os princípios expostos na obra, destacam-se uma interpretação sócio-econômica da história, conhecida como materialismo histórico, os conceitos de luta de classes, de mais-valia e de revolução socialista.[10]



Segundo o materialismo histórico, toda sociedade é determinada, em última instância, por suas condições sócio-econômicas, chamada de "infraestrutura".[10] Adaptadas a ela, as instituições, a política, a ideologia e a cultura como um todo compõem o que Marx chamou de "superestrutura".[10] Um exemplo claro da relação entre essas estruturas é a Revolução Francesa: naquele momento, era necessário transformar a ultrapassada ordem político-jurídica do Antigo Regime (a "superestrutura") para manter a "infraestrutura" vigente.[10]



A luta de classes, na análise marxista, é o agente capaz de transformar a sociedade.[10] O antagonismo entre dominadores e dominados induz às lutas e às transformações sociais.[10] Em termos sociais, se trata do motor da história humana, só terminando com o aparecimento da sociedade comunista perfeita, onde desapareceria a exploração de classes e as injustiças sociais.[13] Já o conceito de mais-valia corresponde ao valor não-remunerado do trabalho do operário, que é apropriado pelos capitalistas.[10][13]



Contra a ordem estabelecida pela sociedade burguesa, Marx considerava inevitável a ação política do operariado organizado, a revolução socialista, que iria inaugurar a construção de uma nova sociedade.[10] Num primeiro momento, o controle do Estado ficaria na mão da ditadura do proletariado, quando ocorreria a socialização dos meios de produção através da eliminação da propriedade privada.[10] Numa etapa posterior, a meta seria o comunismo perfeito, onde todas as desigualdades sociais e econômicas, além do próprio Estado, acabariam.[10]



[editar] Anarquismo

Pierre-Joseph Proudhon, primeiro anarquista auto-proclamado do mundo.Outra corrente socialista surgida no século XIX foi o anarquismo.[10] Pregava a supressão de toda e qualquer forma de governo, defendendo a liberdade de forma geral.[10] O principal percursor desta doutrina é Pierre-Joseph Proudhon, que se vale dos pressupostos do socialismo utópico (sendo considerado um socialista utópico por alguns historiadores[13]) para criticar os abusos do capitalismo em sua obra O que é a propriedade? (1840). Respeita a pequena propriedade e propõe a criação de cooperativas e de bancos que concedessem empréstimos a juros zero aos empreendimentos produtivos, além de crédito gratuito aos trabalhadores.[13] Proudhon foi o primeiro anarquista auto-proclamado, apesar de ser considerado um socialista utópico pelos marxistas, rótulo que jamais aceitou.



Ao propor a criação de uma sociedade sem classes, sem exploração, sem Estado, formada por homens livres e iguais, Proudhon inaugurou o anarquismo.[10] Ele propunha a destruição dos Estados nacionais e sua substituição pelas "repúblicas de pequenos proprietários".[10] Suas propostas inspiraram, principalmente, o teórico russo Mikhail Bakunin, que se tornou líder do chamado "anarquismo terrorista".[10] Defendia que a violência era a única forma de se alcançar uma sociedade livre de Estados e de desigualdades, um mundo de felicidades e liberdades para os operários.[10]



O anarquismo, também conhecido como "comunismo libertário", e o socialismo científico de Marx coincidem quanto ao objetivo final: atingir o comunismo, estagio em que não existem mais divisões de classes, exploração, e nem mesmo o Estado.[10] Entretanto, para os marxistas, antes dessa meta faz-se necessária uma fase intermediária, a ditadura do proletariado.[10] Já na concepção dos anarquistas, as classes, as instituições e as tradições devem ser erradicadas imediatamente, tendo como finalidade a aniquilação do Estado.[10] As críticas mútuas entre anarquistas e marxistas levaram a uma convivência de choques e divergências, comprovada pelas rivalidades que ocorreram posteriormente nos países onde ambas as facções coexistiram na luta contra a ordem estabelecida,[10] tais como na Rússia após a Revolução e na Espanha durante a Guerra Civil.



[editar] Socialismo cristãoDurante a Revolução Industrial, uma série de teóricos cristãos, como Robert Lamennais, Adolph Wagner e J.D. Maurice, entre outros, lançaram apelos às classes dominantes para que aliviassem os sofrimentos das classes trabalhadoras.[13] Nasceu, dessa forma, o socialismo cristão, uma tentativa de aplicar os ensinamentos de amor e de respeito ao próximo aos problemas sociais gerados pela industrialização.[13] A grande mobilização operárias levou a cúpula da Igreja Católica a definir oficialmente seu papel nos novos problemas sociais.[10]



Em 1891, o papa Leão XIII lançou a encíclica Rerum Novarum, em que expunha o pensamento social do catolicismo.[13] Nela, reavivava o papel da Igreja como instrumento de reforma e justiça social.[10] Reconhecia o direito à propriedade privada e rejeitava o socialismo científico de Marx,[10] mas condenava a ganância capitalista e a exploração desumana da força de trabalho.[13] O papa propunha que os empregadores reconhecessem os direitos fundamentais dos proletários, como a limitação da jornada de trabalho, o descanso aos fins de semana, o estabelecimento de salários dignos, as férias remuneradas, entre outros.[13] A encíclica recomendava também a intervenção do Estado no mercado privado a fim de melhorar as condições de vida dos trabalhadores nos setores da habitação e da saúde.[13]



Após a publicação dessa encíclica, a Igreja não mais se desligou da questão social e de suas concepções políticas, caráter reforçado sobretudo após o concílio Vaticano II (1962-1965).[10]



[editar] Socialismo realO socialismo posto em prática é chamado de socialismo real.[14] Para o historiador Gilberto Cotrim, trata-se de um "socialismo autoritário", devido ao terror político implementado pelos diversos regimes socialistas que existiram no mundo.[15]



A trajetória do socialismo real começa com a vitória dos bolcheviques na Revolução Russa, o que transformou o país, renomeado de União Soviética, no primeiro estado socialista da história.[16] A partir de 1921, a oposição política, dentro e fora do partido, foi proibida, e todos os sindicatos foram unificados e submetidos ao comando do partido.[16] Com Josef Stalin, o Partido Comunista passou a reinar de forma absoluta sobre a sociedade.[16] Na disputa pelo controle da União Soviética depois da morte de Vladimir Lenin, Stalin perseguiu os cidadãos que se opusessem a seu regime.[16] Mais de cinco milhões de pessoas foram presas[16] e estima-se que cerca de 700 mil tenham morrido durante o Grande Expurgo.[17] De acordo com o historiador britânico Robert Conquest, este número pode ser de duas a três vezes maior.[18] Assim sendo, a União Soviética perdeu figuras ilustres, executadas como traidores da pátria em eventos que ficariam conhecidos como "julgamentos-espectáculos".[16] Além dos mortos no Grande Expurgo, cerca de 1,8 milhão morreram em gulags.[19]



De maneira semelhante ao ocorrido na União Soviética, o regime socialista implementado em outros países trouxe consequências brutais para o povo. No Camboja, cerca de 1,5 milhão foram executados como consequência do regime do Khmer Vermelho.[20] Na Coreia do Norte, estima-se que de 900 mil a duas milhões de pessoas tenham morrido de fome após o colapso do regime soviético.[21] Antes disso, de 700 mil a mais de 3,5 milhões de pessoas teriam sido assassinadas pelo regime de Kim Il-sung.[22] Cerca de 2,5 milhões morreram como vítimas de perseguição política durante o período conhecido como Grande Salto Adiante na China.[23] No Vietnã, o regime comunista teria feito de 200.000 a 900.000 vítimas na década de 1950.[24] Na Etiópia, cerca de meio milhão de pessoas foram assassinadas durante o Terror Vermelho de 1977 e 1978.[25][26]



Como consequência do socialismo real, a semântica do termo "socialismo" foi alterada profundamente ao longo do século XX, sendo hoje associada por alguns ao totalitarismo e ao desrespeito aos direitos humanos. A Igreja Católica, por exemplo, afirma ter "rejeitado as ideologias totalitárias e ateias, associadas, nos tempos modernos, ao comunismo ou ao socialismo".[27] O desafio que enfrentam alguns teóricos atualmente é associar a ideia de socialismo à democracia e devolver valores humanísticos em seus ideais, que apesar de serem incluídos na teoria marxista original, nunca foram postos em prática. De fato, atualmente, muitas correntes de pensamento divergem acerca do socialismo. Algumas não crêem que as experiências taxadas de socialistas (a União Soviética sendo o maior exemplo) possam realmente ser assim consideradas, por não terem se mantido fiéis às propostas dos pensadores originais - já que os meios de produção pertenciam ao Estado controlado por burocratas e não pelo povo trabalhador. Além disso, o Estado aumentou o seu controle ao invés de diminuir, ainda havia salários e, portanto, a existência da mais-valia, fonte de lucro da burguesia. Deste modo, não acabou a exploração e sim modificou-se quem explorava, conservando os mesmos instrumentos de exploração capitalista.



Outras correntes consideram necessária a adequação do socialismo ao contexto atual e crêem que tanto as definições dos pensadores originais como o socialismo posto em prática não se adequam à atualidade. O grande consenso que há é o de trabalhar para alcançar a justiça social, o que faz com que as definições clássicas de socialismo, bem como as publicações a seu respeito, sirvam mais como orientação histórica do que como "manuais ideológicos" ou definições exatas (pelo menos para a maioria dos pensadores).



Sendo assim, alguns críticos do socialismo clássico (e aí se incluem não apenas defensores de outros sistemas político-econômicos, mas também uma significativa parcela dos socialistas modernos) acreditam que o modelo de transição proposto por Marx em sua teoria[2] não tenha mais fundamento nos tempos de hoje. Por outro lado, muitas correntes socialistas ainda procuram se manter fiéis aos conceitos de Marx a respeito da Revolução Socialista e da fase de transição ao comunismo, conceitos que ainda consideram válidos em sua essência, com uma ou outra atualização para os dias atuais.



[editar] DivergênciasAs diferentes teorias socialistas surgiram como reação ao quadro de desigualdade, opressão e exploração que enxergavam na sociedade capitalista do século XIX, e tinham a proposta de buscar uma nova harmonia social por meio de drásticas mudanças, como a transferência dos meios de produção das classes proprietárias para os trabalhadores. Uma consequência dessa transformação seria o fim do trabalho assalariado e a substituição do mercado por uma gestão socializada ou planejada, com o objetivo de distribuir a produção econômica e todo tipo de serviço segundo as necessidades da população. O comunismo seria a última fase, onde as pessoas já estivessem tão acostumadas a viver nesse tipo de sociedade que não exigiriam ter mais do que o vizinho. Tais mudanças exigiriam necessariamente uma transformação radical do sistema político. Alguns teóricos postularam a revolução social como único meio de alcançar a nova sociedade. Outros, como os social-democratas, consideravam que as transformações políticas deveriam se realizar de forma progressiva, sem ruptura, e dentro do sistema capitalista.



No aspecto político o socialismo, ao contrário do que se costuma pensar, não tem um Estado. Isso quer dizer que antes do socialismo a sociedade passa por uma fase chamada de ditadura do proletariado para garantir o domínio da classe proletária sobre as demais (ex.: o feudalismo tinha uma estrutura estatal que garantia o domínio dos senhores feudais; o capitalismo tem uma estrutura estatal que garante o domínio dos proprietários/capitalistas),no entanto, a ditadura do proletariado, ou seja o Estado Operário trabalha no sentindo da sua auto abolição. Segundo Engels[28], o Estado seria abolido concomitantemente com a abolição das classes e, portanto, na primeira fase da sociedade comunista, chamada de socialismo, não existiria mais Estado. O Estado Operário caracteriza-se pelo domínio dos trabalhadores sobre a burguesia, é o ato revolucionário de expropriação dos meios de produção e quebra da resistência burguesa ao passo que constrói o socialismo e cria as bases para uma sociedade sem classes. Mas, como todo Estado, ele tem formas diferentes de relações entre as diversas instituições.



Segundo Trotsky podemos definir basicamente duas formas de regime num Estado socialista: as democracias operárias e os Estados Operários Burocráticos. As democracias operárias caracterizaram-se pelo alto controle dos trabalhadores sobre a planificação econômica (controle operário); criação de mecanismos de controle pela base; fusão dos poderes executivos e legislativos; revogabilidade permanente dos mandatos, indicados pelos organismos de base; eleição direta via organismos para todos os cargos (inclusive militares), com cláusulas de impedimento de reeleição; separação do Estado e partido; ampla liberdade entre os trabalhadores para expressarem suas posições, à exceção dos casos de sublevação armada.



Os regimes de Estado Operário Burocrático eram caracterizados pelo domínio de uma casta burocrática; supressão, ou manutenção apenas na forma, dos organismos de base; planificação por essa burocracia, sem controle operário; alta hierarquização no serviço público; fusão de Estado e partido; e supressão da liberdade de imprensa.



O primeiro pode ser encontrado como experiência histórica em caráter embrionário no processo conhecido como Comuna de Paris, em 1871 e, na revolução espanhola. O segundo, no estado russo a partir da NEP, na República Popular da China, na Coreia do Norte, em Cuba e no Leste Europeu. É interessante observar que os dois regimes não são tão semelhantes como era de se esperar (já que ambos recebem o rótulo de socialistas) e que o Estado Operário Burocrático foi duramente criticado e rechaçado por Trotsky, um conhecido pensador socialista. Esse exemplo serve bem para ilustrar como o pensamento socialista pode tomar formas diferentes e frequentemente conflitantes.



É importante salientar que esta designação não aparece em Marx e já aparecia em Lênin, que antes de morrer reconhecia a URSS como capitalismo de Estado e como uma burocracia forte e nascente[29].



[editar] Críticas ao socialismo Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto.

Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes, inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, nos locais indicados.

Encontre fontes: Google — notícias, livros, acadêmico — Scirus — Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.





Entre os principais críticos do socialismo encontram-se John Stuart Mill, Alexis de Tocqueville, Karl Popper, Eugen von Boehm-Bawerk, Ludwig von Mises,[30] Friedrich Hayek e Joseph Schumpeter.



Popper dizia que o historicismo marxista não poderia ser considerado uma teoria científica, pois não é falsificável pela experiência humana, considerando este historicismo como inimigo da sociedade aberta, por ser ontologicamente impossível de negá-lo.



Mises, em seu livro "Socialismo" argumentou pela impossibilidade de um governo socialista de planejar racionalmente uma economia complexa. Sem uma economia de mercado, dizia Mises, não pode haver um sistema de preços baseado na oferta e demanda. Apenas o livre mercado informa à sociedade sobre a alocação mais racional dos recursos e do uso mais produtivo dos bens de capital.



Hayek escreveu em "O Caminho da Servidão" que qualquer tentativa de controlar a economia implica numa concentração de poder estatal e na diminuição da liberdade política. O socialismo terminaria sendo um sistema econômico em que um indivíduo ou grupo de indivíduos controla os demais membros da sociedade mediante a coerção e a compulsão organizada. Exemplos de governos totalitários nesses moldes foram a URSS, especialmente durante o regime de Josef Stalin, a China de Mao Tse-tung e outros experimentos na África e na Ásia. Em sua defesa os socialistas argumentam que esses países, apesar de se considerarem socialistas, nunca teriam aderido ao socialismo pois, na prática, ele nunca teria existido. Também existem os socialistas-libertários, que são simultaneamente a favor da derrubada da propriedade privada, do capital e do Estado, vistos como única forma de assegurar simultaneamente a ampla liberdade e igualdade em direito. Ainda segundo Hayek, o planejamento econômico proposto pelos socialistas era menos eficiente no provimento do bem-estar social que o livre mercado.



[editar] Partidos socialistas lusófonosAngola

Partido Socialista Angolano (PSA)

Brasil

Partido Republicano Brasileiro (PRB - 10) [carece de fontes?]

Partido Democrático Trabalhista(PDT - 12)[31]

Partido dos Trabalhadores (PT - 13)[32]

Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU - 16)

Partido Trabalhista Nacional (PTN - 19)[carece de fontes?]

Partido Comunista Brasileiro (PCB - 21)

Partido da República (PR - 22)[carece de fontes?]

Partido Popular Socialista (PPS - 23)

Partido Renovador Trabalhista Brasileiro (PRTB - 28)[carece de fontes?]

Partido da Causa Operária (PCO - 29)[33]

Partido da Mobilização Nacional (PMN - 33)

Partido Trabalhista Cristão (PTC - 36)[carece de fontes?]

Partido Socialista Brasileiro (PSB - 40)

Partido Verde (PV - 43)[carece de fontes?]

Partido Socialismo e Liberdade (PSOL - 50)

Partido Comunista do Brasil (PC do B - 65)[34]

Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB - 70)[carece de fontes?]

Guiné-Bissau

Partido Democrático Socialista (PDS)

Partido Socialista da Guiné-Bissau (PSGB)

Partido dos Trabalhadores (PT)

Moçambique

Frente de Libertação de Moçambique (Frelimo)[35]

Portugal

Bloco de Esquerda (BE)

Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTR)

Partido Comunista Português

Partido Operário de Unidade Socialista (POUS)

Partido Socialista (PS)

Timor-Leste

Partido Socialista Timorense (PST)

[editar] Ver tambémComunismo

Antiglobalização

Anticapitalismo

Capitalismo

Marxismo

Luta de classes

Revolução Industrial

Estado de bem-estar social

Anexo:Lista de países que mais cobram tributos

Referências1.↑ Newman, Michael. (2005) Socialism: A Very Short Introduction, Oxford University Press, ISBN 0-19-280431-6

2.↑ a b Marx, Karl, Communist Manifesto, Penguin (2002)

3.↑ Marx, Karl, Critique of the Gotha Program

4.↑ Socialism, (2009), in Encyclopædia Britannica. Retrieved October 14, 2009, from Encyclopædia Britannica Online: http://www.britannica.com/EBchecked/topic/551569/socialism, "Main" summary: "Socialists complain that capitalism necessarily leads to unfair and exploitative concentrations of wealth and power in the hands of the relative few who emerge victorious from free-market competition—people who then use their wealth and power to reinforce their dominance in society."

5.↑ Socialism: Utopian and Scientific at Marxists.org

6.↑ Frederick Engels. Socialism: Utopian and Scientific. [S.l.: s.n.]. p. 92-11.Chapter III: Historical Materialism

7.↑ http://www.fsmitha.com/h3/h44-ph.html

8.↑ Lenin refers specifically to Marx's Critique of the Gotha Program in his 1917 book State and Revolution

9.↑ "In striving for socialism, however, we are convinced that it will develop into communism", Lenin, State and Revolution, Selected Works, Progress publishers, Moscow, 1968, p. 320. (End of chapter four)

10.↑ a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z aa ab ac ad ae af ag ah ai aj ak al am an ao ap Vincentino, Cláudio. História para o ensino médio. pp. 342-346. São Paulo: Scipione, 2001. ISBN 85-262-3789-6.

11.↑ Oxford English Dictionary, etymology of socialism

12.↑ a b Russell, Bertrand (1972). A History of Western Philosophy. Touchstone. p. 781

13.↑ a b c d e f g h i j k COTRIM, Gilberto. História Global. 5ª edição. pp. 240–241. São Paulo: Editora Saraiva, 1999. ISBN 85-02-02449-3.

14.↑ Freitas, Eduardo. "Socialismo Ideal e Socialismo Real". Brasil Escola.

15.↑ COTRIM, Gilberto. História Global. 5ª edição. pp. 453–461. São Paulo: Editora Saraiva, 1999. ISBN 85-02-02449-3.

16.↑ a b c d e f COTRIM, Gilberto. História Global. 5ª edição. pp. 360–366. São Paulo: Editora Saraiva, 1999. ISBN 85-02-02449-3.

17.↑ Barry McLoughlin; Kevin McDermott(eds) (2003-02-04). Stalin's Terror: High Politics and Mass Repression in the Soviet Union. Palgrave Macmillan. p. 141. ISBN 1403901198.

18.↑ "Life and Terror in Stalin's Russia: 1934-1941" by Robert Conquest, 1996, National Review

19.↑ Oleg V.Khlevniuk. "The History of the GULAG".

20.↑ Doyle, Kevin. "Cambodian Khmer Rouge Killers Sentenced". TIME. 14 de outubro de 2008.

21.↑ Lee, May (1998-08-19). "Famine may have killed 2 million in North Korea". CNN.

22.↑ Rummel, Rudolph (1998). Statistics of democide: genocide and mass murder since 1900. LIT Verlag Berlin-Hamburg-Münster. p. 178. ISBN 3825840107.

23.↑ Issac Stone Fish. "Greeting Misery With Violence". Newsweek. 26 de setembro de 2010.

24.↑ Rosefielde, Steven (2009). Red Holocaust. Routledge. pp. 110. ISBN 978-0-415-77757-5.

25.↑ Andrew, Christopher e Mitrokhin, Vasili. The World Was Going Our Way: The KGB and the Battle for the Third World. pp 457.

26.↑ "US admits helping Mengistu escape". BBC, 22 de dezembro de 1999.

27.↑ Catecismo da Igreja Católica N° 2425

28.↑ Williams, Raymond. Keywords: a vocabulary of culture and society. [S.l.]: Fontana, 1976. ISBN 0006334792

29.↑ Serge, Victor, From Lenin to Stalin, p. 55.

30.↑ O que é Socialismo? (em português). passeiweb.com (7 de abril de 2011). Página visitada em 13/01/2012.

31.↑ Partido Democrático Trabalhista. Carta Mendes (documento de fundação do PDT). 23 de janeiro de 1983. Página visitada em 6 de dezembro de 2010. "O PDT assume, com inabalável e definitiva convicção e firmeza, pelo seu programa, sua prática e objetivos, a causa do socialismo democrático no Brasil. O PDT é um Partido Socialista. O nosso Socialismo há de ser construído através do voto livre, numa sociedade pluralista e civil, sem discriminar ou excluir quem quer que seja."

32.↑ Partido dos Trabalhadores. Estatuto do Partido dos Trabalhadores pp. 4. 5 de outubro de 2007. Página visitada em 6 de dezembro de 2010. "O Partido dos Trabalhadores (PT) é uma associação voluntária de cidadãs e cidadãos que se propõem a lutar por democracia, pluralidade, solidariedade, transformações políticas, sociais, institucionais, econômicas, jurídicas e culturais, destinadas a eliminar a exploração, a dominação, a opressão, a desigualdade, a injustiça e a miséria, com o objetivo de construir o socialismo democrático."

33.↑ "A única candidatura operária e socialista à presidência". Partido da Causa Operária. 28 de junho de 2010.

34.↑ "Programa Socialista para o Brasil". Partido Comunista do Brasil. 8 de novembro de 2009.

35.↑ Frente de Libertação de Moçambique. Programa do Frelimo. 10-15 de Novembro de 2006. Página visitada em 6 de dezembro de 2010. "Nós, a FRELIMO, Partido de moçambicanos e para moçambicanos, guiamo-nos pelos princípios do socialismo democrático, da liberdade, paz, solidariedade, justiça e responsabilização."

[editar] BibliografiaGuy Ankerl, Beyond Monopoly Capitalism and Monopoly Socialism, Cambridge MA: Schenkman, 1978.

Beckett, Francis, Clem Attlee, Politico's (2007) 978-1842751923

G.D.H. Cole, History of Socialist Thought, in 7 volumes, Macmillan and St. Martin's Press, 1965; Palgrave Macmillan, 2003 reprint; 7 volumes, hardcover, 3160 pages, ISBN 1-4039-0264-X.

Friedrich Engels, Socialism: Utopian and Scientific, Pathfinder; 2r.e. edition (December 1989) 978-0873485791

Friedrich Engels, The Origin of the Family, Private Property and the State, Zurich, 1884. Predefinição:LCC

Albert Fried and Ronald Sanders, eds., Socialist Thought: A Documentary History, Garden City, NY: Doubleday Anchor, 1964. LCCN 64-11312.

Phil Gasper, The Communist Manifesto: A Road Map to History's Most Important Political Document, Haymarket Books, paperback, 224 pages, 2005. ISBN 1-931859-25-6.

Élie Halévy, Histoire du Socialisme Européen. Paris, Gallimard, 1948.

Michael Harrington, Socialism, New York: Bantam, 1972. LCCN 76-154260.

Jesús Huerta de Soto, Socialismo, cálculo económico y función empresarial (Socialism, Economic Calculation, and Entrepreneurship), Unión Editorial, 1992. ISBN 84-7209-420-0.

Makoto Itoh, Political Economy of Socialism. London: Macmillan, 1995. ISBN 0-333-55337-3.

Kitching, Gavin. Rethinking Socialism. [S.l.]: Meuthen, 1983. ISBN 0416358403

Oskar Lange, On the Economic Theory of Socialism, Minneapolis, MN: University of Minnesota Press, 1938. LCCN 38-12882.

Michael Lebowitz, Build It Now: Socialism for the 21st Century, Monthly Review Press, 2006. ISBN 1-58367-145-5.

Marx, Engels, The Communist Manifesto, Penguin Classics (2002) 978-0140447576

Marx, Engels, Selected works in one volume, Lawrence and Wishart (1968) 978-0853151814

Ludwig von Mises, Socialism: An Economic and Sociological Analysis [1], Liberty Fund, 1922. ISBN 0-913966-63-0.

Joshua Muravchik, Heaven on Earth: The Rise and Fall of Socialism, San Francisco: Encounter Books, 2002. ISBN 1-893554-45-7.

Michael Newman, Socialism: A Very Short Introduction, Oxford University Press, 2005. ISBN 0-19-280431-6.

Bertell Ollman, ed., Market Socialism: The Debate among Socialists, Routledge, 1998. ISBN 0-415-91967-3

Leo Panitch, Renewing Socialism: Democracy, Strategy, and Imagination. ISBN 0-8133-9821-5.

Emile Perreau-Saussine, What remains of socialism ? [2], in Patrick Riordan (dir.), Values in Public life: aspects of common goods (Berlin, LIT Verlag, 2007), pp. 11–34

Richard Pipes, Property and Freedom, Vintage, 2000. ISBN 0-375-70447-7.

John Barkley Rosser and Marina V. Rosser, Comparative Economics in a Transforming World Economy. Cambridge, MA: MIT Press, 2004. ISBN 978-0-262-18234-8.

Maximilien Rubel and John Crump, Non-Market Socialism in the Nineteenth and Twentieth Centuries. ISBN 0-312-00524-5.

David Selbourne, Against Socialist Illusion, London, 1985. ISBN 0-333-37095-3.

Katherine Verdery, What Was Socialism, What Comes Next, Princeton. 1996. ISBN 0-691-01132-X

James Weinstein, Long Detour: The History and Future of the American Left, Westview Press, 2003, hardcover, 272 pages. ISBN 0-8133-4104-3.

Peter Wilberg, Deep Socialism: A New Manifesto of Marxist Ethics and Economics, 2003. ISBN 1-904519-02-4.

Edmund Wilson, To the Finland Station: A Study in the Writing and Acting of History, Garden City, NY: Doubleday, 1940. LCCN 4-34338.

[editar] Ligações externasO Wikiquote possui citações de ou sobre: SocialismoO Commons possui multimídias sobre SocialismoArquivo marxista na internet (em português)

Reason in Revolt: Marxism and Modern Science By Alan Woods and Ted Grant

Science, Marxism & the Big Bang: A Critical Review of Reason in Revolt by Peter Mason

History of socialism at Spartacus Educational

Modern History Sourcebook on socialism

História do Socialismo em What Next?

PBS' "Heaven on Earth: the Rise and Fall of Socialism"

Towards a New Socialism by W. Paul Cockshott and Allin Cottrell

21st Century Socialism web magazine

"We Are All Socialists Now" by Jon Meacham and Evan Thomas, Newsweek, February 16 2009

Reimagining Socialism: Rising to the Occasion by Barbara Ehrenreich & Bill Fletcher Jr., The Nation, March 4 2009

What is Democratic Socialism?

[Esconder]v • eIdeologias políticas

Anarquismo · Democracia cristã · Comunismo · Comunitarismo · Conservadorismo · Fascismo · Feminismo · Ambientalismo · Liberalismo · Libertarianismo · Nacionalismo · Social-democracia · Socialismo









Obtida de "http://pt.wikipedia.org/w/index.php?title=Socialismo&oldid=33009241"

Ver avaliaçõesAvaliar esta página

Avaliar esta página

Avaliações

O que é isto?Avaliações médias atuais

Credibilidade



Imparcialidade



Profundidade



Redação



Conheço este assunto muito profundamente (opcional)

Tenho estudos relevantes do secundário ou universidadeFaz parte dos meus conhecimentos profissionaisÉ uma das minhas paixões pessoaisA fonte do meu conhecimento não está listada aqui Gostava de ajudar a melhorar a Wikipédia; enviem-me um e-mail (opcional) Irá receber uma mensagem de confirmação por e-mail. O seu endereço de e-mail não será partilhado com ninguém. declaração de confidencialidade dos comentáriosEnviar avaliações



GravadoAs suas avaliações não foram enviadasAs suas avaliações expiraramVolte a avaliar esta página e envie as novas avaliações, por favor.

Ocorreu um erro. Tente novamente mais tarde, por favor.

Obrigado! As suas avaliações foram gravadas.Queria criar uma conta?Uma conta permite-lhe seguir as suas edições, participar nos debates e fazer parte da comunidade.Criar contaouAutenticaçãoTalvez mais tarde

Obrigado! As suas avaliações foram gravadas.Sabia que pode editar esta página?Editar esta páginaTalvez mais tarde Categorias: SocialismoSistemas econômicosCategorias ocultas: !Artigos que carecem de notas de rodapé!Artigos que carecem de notas de rodapé desde novembro de 2012!Artigos bons na Wikipédia em islandêsFerramentas pessoais

Criar contaEntrarEspaços nominais

ArtigoDiscussãoVariantesVistas

LerEditarVer históricoAções

Busca

Navegação

Página principal

Conteúdo destacado

Eventos atuais

Esplanada

Página aleatória

Portais

Informar um erro

ColaboraçãoBoas-vindas

Ajuda

Página de testes

Portal comunitário

Mudanças recentes

Estaleiro

Criar página

Páginas novas

Contato

Donativos

Imprimir/exportarCriar um livroDescarregar como PDFVersão para impressão

FerramentasPáginas afluentesAlterações relacionadasCarregar ficheiroPáginas especiaisLigação permanenteInformações da páginaCitar esta páginaAvaliar esta página

Noutras línguasAfrikaans

Alemannisch

Aragonés

العربية

مصرى

Asturianu

Azərbaycanca

Žemaitėška

Беларуская

Беларуская (тарашкевіца)‎

Български

বাংলা

বিষ্ণুপ্রিয়া মণিপুরী

Brezhoneg

Bosanski

Català

کوردی

Česky

Cymraeg

Dansk

Deutsch

Zazaki

Ελληνικά

Emiliàn e rumagnòl

English

Esperanto

Español

Eesti

Euskara

فارسی

Suomi

Võro

Føroyskt

Français

Frysk

Gaeilge

Gàidhlig

Galego

עברית

हिन्दी

Fiji Hindi

Hrvatski

Magyar

Interlingua

Bahasa Indonesia

Ido

Íslenska

Italiano

日本語

Lojban

Basa Jawa

ქართული

Қазақша

ಕನ್ನಡ

한국어

Къарачай-малкъар

Kurdî

Кыргызча

Latina

Lingála

Lietuvių

Latviešu

Македонски

മലയാളം

मराठी

Bahasa Melayu

Mirandés

မြန်မာဘာသာ

مازِرونی

Plattdüütsch

नेपाली

Nederlands

Norsk (nynorsk)‎

Norsk (bokmål)‎

Occitan

Polski

پنجابی

Runa Simi

Română

Русский

Русиньскый

Саха тыла

Sicilianu

Scots

Sámegiella

Srpskohrvatski / српскохрватски

සිංහල

Simple English

Slovenčina

Slovenščina

Soomaaliga

Српски / srpski

Svenska

தமிழ்

ไทย

Türkçe

Українська

اردو

Vèneto

Tiếng Việt

Winaray

ייִדיש

Yorùbá

中文

Bân-lâm-gú

粵語

Esta página foi modificada pela última vez à(s) 21h07min de 20 de novembro de 2012.

Este texto é disponibilizado nos termos da licença Atribuição-Partilha nos Mesmos Termos 3.0 não Adaptada (CC BY-SA 3.0); pode estar sujeito a condições adicionais. Consulte as condições de uso para mais detalhes.

Política de privacidadeSobre a WikipédiaAvisos geraisVersão móvel     COPYRIGHT WIKIPÉDIA.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário

Contador de visitas