sábado, 1 de dezembro de 2012

SOCIÓLOGOS: JEAN LOJKINE

EnviarAcessar


Registre-se

Explore

DocumentosLivros - FicçãoLivros - Não-ficçãoSaúde e medicinaFolhetos/CatálogosDocumentos do governoGuias de orientação/manuaisRevistas/jornaisReceitas/cardápiosTrabalho escolar+ todas as categoriasRecentesEm destaquePessoasAutoresAlunosPesquisadoresEditorasGovernamental & Sem Fins LucrativosNegóciosMúsicosArtistas & DesenhadoresProfessores+ todas as categoriasMais seguidosPopular×Língua:portuguêsEscolha o idioma com o qual você quer experimentar Scribd:English中文EspañolالعربيةPortuguês日本語DeutschFrançaisTurkceРусский языкTiếng việtJęzyk polskiBahasa indonesia

Download0Voltar ComentárioLinkIncorporarde 64Readcast0inShare.



CLÁUDIO EDUARDO REGIS DE FIGUEIREDO E SILVA

INTRODUÇÃOO sociólogo francês JEAN LOJKINE analisa aREVOLUÇÃO INFORMACIONAL a partir do marxismo,para lançar uma luz sobre os reflexos das novastecnologias sobre o modo de produção capitalista, bemcomo sobre as novas possibilidades que se desvendamna busca de referências teóricas para o século XXI.

LOJKINE inicia identificando no tempo (final doséculo XX) uma DOMINAÇÃO MUNDIAL DOCAPITALISMO ao mesmo tempo em que as novastecnologias põem em questão o MONOPÓLIO DOPENSAMENTO, característico da divisão do trabalho.Passa a pergunta: é possível uma recomposição defunções na divisão do trabalho, entre os que decidem eos que executam?

Ilustrando as ENORMES POTENCIALIDADESdessa transformação, define a REVOLUÇÃOINFORMACIONAL como aquele que ³nasce daoposição entre a revolução da máquina-ferramenta,fundada na objetivação das funções manuais, e arevolução da automação, baseada na objetivação decertas funções cerebrais desenvolvidas pelomaquinismo industrial´ (p. 14).Diante da capacidade proporcionada pelas novastecnologias da informação, o problema central consisteem saber ³como se organizar para tomar decisões ± ouseja, como tratar a informação´ (Herbert Simon, 1983).

Descreve uma crise do modelo americano que vê a informaçãocomo mercadoria que ³perde valor´ ao ser compartilhada, paraconsiderá-la como INVESTIMENTO (cfe. Benjamin e a indústria dacomunicação), daí a importância do seu controle! Aobra se divide em três partes:1ª± avalia a revolução informacional comparada à revoluçãoindustrial;2ª- trata do problema do controle da informação;3ª- busca analisar as possibilidades da superação dadivisãoentre produção e informaçãona organização do trabalho, entreprodutores e elaboradores, enfim, entre funções produtivas eimprodutivas. Pretende ³desmascarar o fosso´ que divide osganhadores e os excluídos da modernização tecnológica.Para discutir os novos problemas surgidos com ainformática, é necessário superar velhos conceitos: uma revisão crítica do taylorismo-fordismo (MITOS); definir a natureza e os tipos de informação tratados pelarevolução informacional (aberta e interativa ou fechada econcentrada); distinguir a lógica da rentabilidade (MERCADO) da lógicaespecífica do tratamento da informação.

A revisão dos MITOS MOBILIZADORES da produçãocomeça com definições MICRO-ECONÔMICAS correntes (p.31): TAYLORISMO: divisão do trabalho em micro-tempos.Cada trabalhador recebe a ³atribuição´ de produzir o número depeças calculado para a jornada em razão do tempo atribuídopara cada tarefa. FORDISMO: os trabalhadores são dispostos numa linhamobilizada por uma cadência fixa (esteira) que impõe o ritmo detrabalho.Paralelamente, foram desenvolvidas máquinasespecializadas, com peças e produtos estandartizados quefacilitam a formação dos operários.

1) divisão de tarefas;2) separação entre concepção / execução;3) volume crescente de produto para um mesmo efetivo;4) controle ³¶pelo alto´ e tempo imposto pela cadeia;5) regulação de preços e salários pela oferta de massa;6) direção autoritária: estatismo, burocracia e Estado-providência.³RIGIDEZ´

 KAN-BAN (Niponismo ou Toyotismo)Sistema adaptado à produção, em séries restritas,de produtos variados.O trabalhador do posto posterior recolhe, quandonecessita, as peças no posto de trabalho antecedente,onde o incremento da fabricação só ocorre pararealimentar a produção que é vendida.³FLEXIBILIDADE´.

Ocorre tanto em relações intra-empresas como inter-empresas (terceirização).1) polivalência no trabalho horizontal;2) polifuncionalidade na relação vertical;3) razão da diminuição de efetivos para uma mesmaquantidade de produto;4) auto-controle do anterior pelo posterior ³sob os olhos´;5) regulação pela demanda diversificada;6) negociações contratuais descentralizadas com atores³autônomos´. Neoliberalismo e ³democracia salarial´.

A flexibilidade afeta desde a regulação econômica esociopolítica até a divisão social do trabalho!Deve-se observar que mesmo existindo grupos semi-autônomos ou ³ilhas de montagem´, tais unidades nãorecebem nenhuma prerrogativa para tomar iniciativas eexercer responsabilidades.Pelo contrário, ³nova maneira de tirar partido da linhade montagem clássica com fluxo contínuo e fracionamentodo trabalho´ (p. 39).

Destaca a importância de estímulos para que sejamatingidos os objetivos através do trabalho e que maior deverá ser o estímulo quanto mais difícil for o trabalho.Por isso a evolução do trabalho não implicaobrigatoriamente num evolucionismo social, mas emavanços e retrocessos (Ex: a Revolução Industrial na 1ªfase.Crítica a PierreLévy?). ARevolução Tecnológica(informacional) tem amesma magnitude daquela damáquina-ferramenta, ouainda da descoberta, no neolítico, doinstrumento.

Trata-se da passagem do HOMO FABER (H. Arendt?)para o HOMEM DAS LINGUAGENS: dosCOMPORTAMENTOS AUTOMÁTICOS, diretamente ligados ànatureza do homem; evolui-se para COMPORTAMENTOMA UINAL, envolvendo séries operatórias adquiridas pelaexperiência e educação; para chegar ao COMPORTAMENTOLINGUÍSTICO, lúcido e consciente, onde a linguagem operade modo preponderante. A ³mão´ deixa de ser o motor, que passa a ser o ³cérebro´essencial à atividade comunicativa. A organização social e do trabalho idealizada por Marxnunca imaginou tamanha evolução (ainda que tenha cogitadoa fábrica ³totalmente automatizada´).



A AUTOMAÇÃO proporcionada pelos sistemaseletrônicos é capaz de prever, antecipar e corrigir asdisfunções e, até mesmo, mudar a programação.Ex: comando automático dos aviões (que tambémcaem!)Mas até isso mostra a importância daCONSCIÊNCIA REFLEXIVA PARA TOMADAS DEDECISÃO!

Os imperativos da rentabilidade possuem papelpredominante no espaço da produção, o que limita aflexibilidade e o fluxo de informações à relação PRODUÇÃO XRENTABILIDADE.Mesmo as cooperativas de artesãos sucumbem a esta lógicade ³MONETARIZAÇÃO´ que produziu: ruptura das cadências por ³STOCKS TAMPONS´; rotatividade dos postos e das tarefas; ampliação das tarefas (às vezes todas na oficina!).

Surge a figura do ³gerente de produção´, queadministra e aloca o pessoal, assumindo sua gestão.Raramente, porém, esse profissional teráacesso àinformaçãoque lhe permitaparticipar do processodecisório, diagnosticando os incidentes e otimizando ofuncionamento.Começa aqui a pressão para ultrapassar as divisõeshierárquicas e substituí-las por gradações flexíveis DEMOCRATIZAÇÃO E TRANSPARÊNCIA (semelhançacom o Judiciário!).

Dificuldade em µcolocar equivalência¶ quando se tratade informação, conhecimento científico e cultural. Ex.Coquille Saint-Jacques (p. 205) ± ³3 milhões depesquisadores não controlam 5 bilhões de homens!´(Latour, p. 210).Nos EUA, a pesquisa é financiada em 47% peloscontribuintes (Bay-DoleAct, de 1980).O pesquisador brasileiro não existiria semfinanciamento público! (98%)Para Bourdieu: ³a representação cognitiva, tomadacomo modelo epistemológico, é exclusivamenteperceptiva, discursiva e simbólica´ (p. 218).

O modelo ³turbilhonário´ da inovação, em oposição aomecanicista, aponta aberturas, circulação da informação,articulação, adaptação e flexibilidade, sublinhando o modelo do³envolvimento´ e a dimensão coletiva e ativa da inovação: deve-separtilhar as informações entre os que as concebem e seususuários (MIT ± p. 224).³A referência mítica ao mercado como norma suprema dotrabalho das redes tecno-científicas se mostra incapaz de dar conta do divórcio entre o horizonte a curto prazo do lucro e darentabilidade, e do horizonte a longo prazo da inovação.´ (p. 225) A crítica ao dogma mercantil único pede novos critérios, comindicadores que reflitam melhor a qualidade do trabalho,produtividade, tempo de concepção, tempo para levar ao mercado,preservação do meio-ambiente, emissão de carbono e outroscritérios não-mercantis de qualidade!

É possível superar a divisão entre os queproduzem e os que pensam a produção?Como fica essa divisão na relação internacional?

Três objeções na ordem mundial:1) Divisão PAÍSES RICOS X PAÍSES POBRES ± hoje, Brasile Coréia do Sul possuem indústria de alta tecnologia eexportam mão de obra qualificada, indicando uma novadivisão mundial do trabalho.2) As MULTINACIONAIS introduziram filiais no TerceiroMundo onde a complexidade das tarefas e a remuneraçãosão equivalentes aos EUA (México/Brasil).3) Os altos índices de DESIGUALDADE e INFORMALIDADEno trabalho, outrora característicos do Terceiro Mundo, sãohoje uma tendência em TODOS os países capitalistas, namesma forma que o neoliberalismo e a flexibilização dasrelações formais de trabalho.

O UE DISTINGUE O CENTRO DA PERIFERIAÉ O CONTROLE DAS INFORMAÇÕESESTRATÉGICAS e ³a revolução da informaçãoexacerba o debate sobre sua significação e seuuso social´ (p. 237).

Questionamento radical da divisão milenar entre ³escribas´ e ³obreiros´:DANIELBELL: na sociedade ³PÓS-INDUSTRIAL´ haveria aSUBSTITUIÇÃO da produção industrial pela informação e da experiênciaprofissional pela ciência, dos operários pelos engenheiros, com³centralidade do saber teórico, tanto gerador da inovação quanto das idéias-matrizes que inspiram a coletividade´.RICHTA: descreve uma SUBSTITUIÇÃO: ³a ciência impregna oconjunto do processo de produção, tornando-se progressivamente a forçaprodutiva central da sociedade e, praticamente, o fator decisivo docrescimento das forças produtivas.´P/LOJKINE, ³as premissas da revolução informacional, no contextoatual de crise e reestruturação capitalistas, discutem a idéia de umasubstituição da produção pela informação, defendendo a tese de umainterpenetração complexa entre indústria e serviços, concepção efabricação, ciência e experiência e, conseqüentemente, entre assalariadosda produção e assalariados da concepção.´ (p. 238)

Tais características dão ênfase à polifuncionalidadecaracterística do trabalho informacional, onde o tempo detrabalho é uma mescla entre atividades produtivas eimprodutivas integradas à produção. Agestão de informações se torna uma função central parao desenvolvimento do trabalho, zelando pela relação entreprestadores e clientes, numa nova confusão de papéis.³De um lado, abrem-se ofícios operários às competências³relacionais´; de outro, ao contrário, parece-se dar marcha-à-ré no processo, procurando dividir, parcelarizar o trabalhocomplexo dos serviços, para melhor mensurá-lo com osparâmetros do trabalho simples.´ (p. 288)

Novamente, coexistem tendências contraditórias: arecomposição enriquecedora de atividades relacionais voltadaspara contados com os usuários; e tentativas de estandartização edesqualificação dos trabalhos considerados mais rotineiros,menos relacionais. A longo prazo, com a revolução informacional, vem à tonauma tendência irreversível para abrir todas as atividadesprodutivas às funções de serviços e todas as atividades deserviço às funções produtivas.Contudo, a lógica de mercado permanece dominante, com atendência de eliminação do trabalho vivo para economizar pessoal, com a intensificação do trabalho e as reduções maciçasde pessoal que bloqueiam as capacidades inovadoras eparalisam os esforços para melhorar a circulação da informação.(p. 290)

No ensino, a mesma tendência: de um lado, oschefes dos processos de projetos, arquitetos desistemas e de redes informacionais egressos de grandesescolas de engenharia; de outro lado, os técnicossuperiores e egressos de pequenas escolas, submetidosa uma certa estandartização de tarefas em gabinetes deprogramação e grandes escritórios de projetos, sofrendouma perda da sua autonomia, e desvalorização do seuestatuto, onde o desemprego cresce mais rapidamente.Percebe-se uma crise de identidade que se reflete emgrandes incertezas que pesam sobre as qualificaçõesdas gerações futuras.

O operário profissional experimenta, principalmente asensação do µroubo do seu saber¶ e da sua µdesqualificação¶;tendo se tornado técnico mediante a qualificação no própriotrabalho, está convencido de que a informatização nada lheoferecerá de positivo. Surge a política deliberada depromover a concorrência entre duas gerações de operários ede técnicos, onde os novos técnicos são vistos comoµprivilegiados¶, µganhadores das mutações tecnológicas¶. (p.294)Contudo, são µtécnicos especialistas¶ semresponsabilidades e com ínfimas chances de se tornaremdiretores, pois sua formação não lhes ensinou a comunicar.Desse ³desencanto entre os jovens diplomados´ cresce oindividualismo que se reflete na baixa adesão ao movimentosindical.

As causas dessa desmobilização política cada vezmaior em todo o mundo são apontadas como:1) O esgotamento das utopias e dos projetos políticos quemobilizaram os operários e os trabalhadores ao longo dedois séculos;2) A incapacidade do movimento operário ocidental emsuperar no seu interior a delegação de poder e ahierarquia piramidal na divisão entre a esfera dasreivindicações sociais e a esfera administrativas;3) A falta de capacidade de construir, autonomamente,regras de gestão diversas daquelas da rentabilidade e dolucro.

³Somos todos nós, conscientemente ou não, usuários dasNovas Tecnologias da Informação, que devemos buscar a u to n omi aecooperaçãocontra oin d i v i d u al ismoestéril dos quequerem manter o monopólio da formação e das informaçõesestratégicas, quando o próprio controle da informação exige amobilização detodasas inteligências.´ (p. 309)Enquanto dirigentes empresariais, assalariados e cidadãosestiverem persuadidos de que a tomada de decisõesestratégicas (na economia e na política) é um problema da elite,assistiremos a uma aceleração das crises informacionais eorganizacionais provocadas pelas Novas Tecnologias daInformação.

O estoque informacional não pode ser geridocomo um capital, porque a máxima acumulação deinformações não produz a riqueza, mas a asfixia. Aolongo do tempo mostra-se ineficaz, na medida em quenão se partilha e não se faz circular as informações,reproduzindo o círculo vicioso dos surdos (osdirigentes) e dos mudos (os executores).É preciso mudar as regras do jogo. Contudo, elesainda não sabem como fazê-lo.

LOJKINE, Jean. A Revolução Informacional.Trad. De José Paulo Netto. 3ª ed. SãoPaulo: Cortez, 2002.

BuscarHistórico de Busca:BuscandoResultado00 de0000resultado para resultado parap. A Revolução Informacional

Resenha do texto de Jean Lojkine utilizada para debater o processo eletrônico no judiciário e o acesso à justiça. Autor: Cláudio E. R. F. e Silva

Download ou ImprimaAdicionar a Coleção7,9K

Reads26

Readcasts217

Embed ViewsEste é um documento particular.

Published by

airtonruschel

SeguirBuscarTIPPressione Ctrl-F⌘Fpara uma busca rápida no documento

Informação e Avaliação

Categoria: Negócios/jurídico > Tecnologia

Classificação:

Data de envio: 06/07/2010

Direitos Autorais: Attribution Non-commercial

Tags: eprocceregisruschelejusticeeprocceregisruschelejustice(inferior).



Sinalizar documento para conteúdo inadequado.Baixe e imprima este documento

•Leia offline com o seu visualizador de PDF•Edite este documento no [Microsoft Powerpoint, Adobe Acrobat, Notepad]•Fique com uma cópia no caso de esta versão ser deletada do Scribd•Leia e imprima sem anúncios•Envie este arquivo por email

Escolha um formato para fazer o download

.PPT

.PDF

.TXT





DescarregarRecomendados

.

30 p.A SOCIEDADE EM REDE

Aires Jose Rover

58694 Reads.

116 p.Disturbios Da Era Informacional_Luis Eduardo Tavares DM 2010

Luis Eduardo Tavares

5062 Reads.

116 p.Disturbios Da Era Informacional, Luis Eduardo Tavares

Leonardo Foletto

2162 Reads.Next136 p.IANNI, Otavio - Teorias da Globalizaçãoapi_user_11797_Lizzard20565 Reads.47 p.Normas ABNT no Wordecos4549609 Reads.6 p.Resumo - CapitalismoQuímica 2A - CEFET-MG90963 Reads.Previous
Next

126 p.IANNI, Otavio - A era do globalismoapi_user_11797_Lizzard8662 Reads.22 p.A Revolução das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC)mmineiro12639 Reads.8 p.MODELO DE TRABALHOS ACADEMICOSNAHARA1745976 Reads.Previous
Next

2 p.Exemplo Capa e Contra-capa ABNTAlfredo Colbi119788 Reads.535 p.Introdução à Administração - MaximianoDouglas Willian26398 Reads.Previous.Mais Deste Usuário

.

9 p.Ma Fa Lda

airtonruschel

156 Reads.

19 p.RBC aplicado ao Processo Eletrônico

airtonruschel

335 Reads.

21 p.O Governo Eletrônico da Gestão do Judiciário

airtonruschel

293 Reads.Next16 p.O Processo Eletrônico na Justiça do Brasilairtonruschel1300 Reads.112 p.SergioTejadaBuenosAiresSID2010airtonruschel274 Reads.31 p.O Processo Eletrônico no Poder Judiciário de Santa Catarinaairtonruschel8455 Reads.Previous
Next

13 p.O Processo Eletrônico na Justiça Federalairtonruschel6433 Reads.22 p.Saneamento do Processo Eletrônico do Judiciárioairtonruschel584 Reads.23 p.Ontolologia Justiça Ruschelairtonruschel517 Reads.Previous.Featured

.

36 p.The Unknown Man

afvet64.

60 p.Stick A Pin On It

The Berkeley Science Review.

43 p.Portland Or Brooklyn?

Hyperink

$ 4,95.Next16 p.Lighting Up The BrainPrinceton University Press.3 p.A New Story by F. S. FitzgeraldSimon and Schuster.19 p.MIT at 50The MIT Press.Previous
Next

5 p.Monaco Grand PrixKlas Krantz.23 p.Greetings From The 1970sLosPeep.211 p.Great Writers Of HistoryBlair Kasfeldt$ 1,59.Previous
Next

9 p.The Jim Henson JournalChronicleBooks.32 p.Uncoiling AstrophysicsPrinceton University Press.1 p.Nibble On Classic Adsadville.Previous.A Revolução Informacional

mais de 2 anos
7891 views



Post comment



Sobre

Sobre Scribd

Blog

Junte-se a nossa equipe!

Contactanos

Premium

Premium Reader

Loja Scribd

Anuncie conosco

Comece

AdChoices

Suporte

Ajuda

P.F.

Pressione

Sócios

Editores

Desenvolvedores

Legal

Termos

Privacidade

Copyright

© Copyright 2012 Scribd Inc.Língua:portuguêsEscolha o idioma com o qual você quer experimentar Scribd:English中文EspañolالعربيةPortuguês日本語DeutschFrançaisTurkceРусский языкTiếng việtJęzyk polskiBahasa indonesiaPara saber o que seus amigos estão lendo e compartilhando, use seu logon do facebook.

Outras opcões de loginLogin with FacebookRegistre-se sem o Facebookendereço email (exigido)crie um nome de usuário (necessário)contrassenha (necessário)Send me the Scribd Newsletter, and occasional account related communications. Registre-sePolitica de Privacidade You will receive email notifications regarding your account activity. You can manage these notifications in your account settings. We promise to respect your privacy. Por Que Aderir?1. Descubra e ConecteCom pessoas com interesses similares2. Publique Seus DocumentosRapidamente e facilmente3. Compartilhe Seu Interesse pela LeituraNo Scribd e em redes sociais como Facebook Twitter.Você já tem uma conta Scribd ?endereço email ou nome de usuáriosenhaAcessarProblemas em iniciar sessão?.

Logon bem-sucedidoRegistro Bem SucedidoAgora trazendo-lhe de volta...





Restaure a Senhade volta ao início sessãoPlease enter your email address below to reset your password. We will send you an email with instructions on how to continue.

endereço emailVocê precisa de fornecer também um início de sessão para esta conta.

loginApresentar






COPYRIGHT AUTOR DO TEXTO.
Searching for JEAN LOJKINE?

Um comentário:

Contador de visitas