segunda-feira, 20 de agosto de 2012

PLANETAS DO SISTEMA SOLAR


Sistema Solar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto (desde julho de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes, inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, nos locais indicados.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Representação esquemática do Sistema Solar, mostrando os Sol e os planetas.
O Sistema Solar é constituído pelo Sol e por um conjunto de objetos astronômicos que se ligam ao Sol através da gravidade. Acredita-se que esses corpos tenham sido formados por meio de um colapso de uma nuvem molecular gigante há 4,6 bilhões de anos. Entre os muitos corpos que orbitam ao redor do Sol, a maior parte da massa está contida dentro de oito planetas relativamente solitários,[e] cujas órbitas são quase circulares e se encontram dentro de um disco quase plano, denominado plano da eclíptica. Os quatro menores planetas (Mercúrio, Vênus, Terra e Marte) são conhecidos como planetas telúricos ou sólidos, encontram-se mais próximos do Sol e são compostos principalmente de metais e rochas. Os quatro maiores planetas (Júpiter, Saturno, Urano e Netuno) encontram-se mais distantes do Sol e concentram mais massa do que os planetas telúricos, sendo também chamados de planetas gasosos. Os dois maiores, Júpiter e Saturno, são compostos em sua maior parte de hidrogênio e hélio. Urano e Netuno, conhecidos também como "planetas ultraperiféricos", são cobertos de gelo, sendo às vezes referidos como "gigantes de gelo", apresentando também em sua composição água, amônia e metano.
O Sistema Solar também é o lar de outras duas regiões povoadas por objetos menores. O cinturão de asteroides está situado entre Marte e Júpiter e sua composição se assemelha à dos planetas sólidos. Além da órbita de Netuno, encontram-se os "objetos transnetunianos", com uma composição semelhante a dos planetas gasosos. Dentro destas duas regiões, existem outros cinco corpos individuais. São eles: Ceres, Plutão, Haumea, Makemake e Éris, denominados de planetas anões.[e] Além de milhares de corpos pequenos nestas duas regiões, várias outras populações de pequenos corpos que viajam livremente entre as regiões, como cometas, centauros.
O vento solar, fluxo de plasma do Sol, é responsável por criar uma bolha no meio interestelar conhecida como heliosfera, que se estende até a borda do disco disperso. A hipotética nuvem de Oort, que atua como fonte de cometas durante um longo período, pode estar a uma distância de aproximadamente dez mil vezes maior do que a heliosfera.
Seis dos planetas e três planetas anões são orbitados por satélites naturais,[b] normalmente conhecidos como "luas", depois da Lua da Terra. Os planetas gasosos são cercados por anéis planetários compostos de poeira e outras partículas.

Índice

Descoberta e exploração

Durante milhares de anos, a humanidade, com poucas e notáveis exceções, não reconheceu a existência do Sistema Solar. As pessoas acreditavam que a Terra era estacionária no centro do universo e categoricamente diferente dos objetos que se moviam no céu. Embora o filósofo grego Aristarco de Samos tenha afirmado sobre uma possível reordenação heliocêntrica no universo,[1] Nicolau Copérnico foi o primeiro a desenvolver um sistema matemático de previsão heliocêntrica. No século XVII, Galileu Galilei, Johannes Kepler e Isaac Newton desenvolveram uma compreensão física que levou à aceitação da ideia de que a Terra e os outros planetas são regidos pelas mesmas leis físicas que regem o planeta Terra.

Estrutura

As órbitas dos planetas do Sistema Solar se encontram ordenadas a distâncias do Sol crescentes de modo que a distância de cada planeta é aproximadamente o dobro do que o planeta imediatamente anterior. Esta relação vem expressada matematicamente através da Lei de Titius-Bode, uma fórmula que resume a posição dos semieixos maiores dos planetas em unidades astronômicas (UA). Em sua forma mais simples se escreve:
a= 0,4 + 0,3\times k\,\!    onde k \,\! = 0, 1, 2, 4, 8, 16, 32, 64, 128, ainda que pode chegar a ser complicada.
Nesta formulação, a órbita de Mercúrio se corresponde com (k=0) e semieixo maior 0,4 UA, e a órbita de Marte (k=4) se encontra em 1,6 UA. Na realidade, as órbitas se encontram em 0,38 e 1,52 UA. Ceres, o maior asteroide, encontra na posição k=8. Esta lei não se ajusta a todos os planetas (por exemplo, Netuno, que está mais acerca do que prediz esta lei). No momento não há uma explicação da Lei de Titius-Bode e muitos científicos consideram que se trata tão só de uma coincidência.

Tabela resumida do Sistema Solar

As distâncias dos planetas de Mercúrio a Saturno, incluindo-se um buraco para os asteroides, segue aproximadamente a Lei de Titius-Bode.
Nome Diâmetro
(km)
Distância média
ao Sol (km)
Massa do planeta
(Terra = 1)
Sol 1 392 000 - 332 946
Mercúrio 4 880 57 910 000 0,1
Vênus 12 104 108 208 930 0,9
Terra 12 756 149 597 870 1
Marte 6 794 227 936 640 0,1
Júpiter 142 984 778 412 010 318
Saturno 120 536 1 426 725 400 95
Urano 51 118 2 870 972 200 15
Netuno 49 572 4 498 252 900 17

A dimensão astronômica das distâncias no espaço

Para uma noção da dimensão astronômica das distâncias no espaço deve-se fazer cálculos e usar um modelo que permita uma percepção mais clara do que está em jogo. Por exemplo, um modelo reduzido em que o Sol estaria representado por uma bola de futebol (de 22 cm de diâmetro). A essa escala, a Terra ficaria a 23,6 metros de distância e seria uma esfera com apenas 2 mm de diâmetro (a Lua ficaria a uns 5 cm da Terra, e teria um diâmetro de uns 0,5 mm). Júpiter e Saturno seriam berlindes com cerca de 2 cm de diâmetro, respectivamente a 123 e a 226 metros do Sol. Plutão ficaria a 931 metros do Sol, com cerca de 0,36 mm de diâmetro. Quanto à estrela mais próxima, a Proxima Centauri, essa estaria a 6332 km do Sol, enquanto a estrela Sírio a 13 150 km.
Se o tempo de uma viagem da Terra à Lua, a cerca de 257 000 km/hora, fosse de uma hora e um quarto, levar-se-ia cerca de três semanas terrestres para se ir da Terra ao Sol, 3 meses se ir a Júpiter, sete meses para Saturno e cerca de dois anos e meio a chegar a Plutão e deixar o nosso sistema solar. A partir daí, a essa velocidade, levar-se-ia 17 600 anos até chegar à estrela mais próxima, e 35 000 anos até Sírio.

Sistema Solar interior

O Sistema Solar interior corresponde à região onde se localizam os planetas e asteroides.[2] É composto principalmente de metais e silicato. Os objetos do Sistema Solar estão relativamente próximos do Sol. O raio de toda esta região é menor do que a distância entre Júpiter e Saturno.

Planetas telúricos

Os planetas telúricos ou planetas interiores são densos, têm uma composição rochosa, e neles não existem anéis. São compostos principalmente de minerais, como o silicato, que forma o manto e a crosta desses planetas, e metais, como o ferro e o níquel, que formam seus núcleos. Três dos quatro planetas têm uma atmosfera significativa, todos têm impactos de crateras e características de uma superfície tectônica, tais como rift e vulcões. O termo "planeta interior" não deve ser confundido com "planeta inferior", este termo designa os planetas que estão mais próximos do Sol do que a Terra, ou seja, Mercúrio e Vênus.
Planetas telúricos, da esquerda para a direita: Mercúrio, Vênus, Terra e Marte (tamanhos e distâncias interplanetárias fora de escala).

Mercúrio

Mercúrio está a 0,4 unidades astronômicas do Sol e é o menor dos oito planetas do Sistema Solar (0,055 massas terrestres). Não possui nenhum satélite natural. Suas características geológicas são conhecidas. O planeta possui impactos de crateras e escarpas, provavelmente produzidas durante um período de contração no início de sua história.[3] Sua atmosfera é quase insignificante, sua superfície e composta de átomos ejetados pelo vento que vem da energia solar.[4] Seu núcleo, composto principalmente de ferro, é relativamente grande e seu manto é fino. Hipóteses explicam que suas camadas mais externas foram descascadas por um impacto gigante.[5][6]

Vênus

Vênus está a 0,7 unidades astronômicas do Sol, quase do tamanho da Terra (equivalente a 0,815 massas terrestres). Assim como a Terra, Vênus possui um manto composto de silicato em torno de um núcleo de ferro. Entretanto, o planeta é muito mais seco do que a Terra e sua atmosfera é cerca de noventa vezes mais densa. Assim como Mercúrio, não possui satélites naturais. É o planeta mais quente do Sistema Solar, com temperaturas que podem chegar até 480 °C, provavelmente devido à quantidade de gases de efeito estufa presentes em sua atmosfera.[7] Não há evidências definitivas atuais de que tenham sido detectadas atividades geológicas em Vênus, mas não possui campo magnético, que poderia evitar o esgotamento das substâncias da atmosfera. Isso faz com que atmosfera seja regularmente abastecida por erupções vulcânicas.[8]

Terra

Situa-se a uma unidade astronômica a partir do Sol e é o mais denso dos planetas telúricos, conhecida pela sua atividade geológica. Acredita-se que a Terra é o único lugar que tenha vida no universo.[9] É a única hidrosfera líquida entre os planetas telúricos, assim como o único planeta onde placas tectônicas têm sido observadas. A atmosfera terrestre é diferente se comparada a dos outros planetas, entre elas a presença de 21% de gás oxigênio, capaz de gerar vida.[10] Seu único satélite natural é a Lua, um dos grandes satélites de um planeta do sistema solar.

Marte

Marte se situa a 1,5 unidades astronômicas do Sol, menor que a Terra e Vênus (sua massa corresponde a 0.107 massas terrestres). Sua atmosfera é composta principalmente de dióxido de carbono, com uma pressão superficial de 6,1 milibares (aproximadamente 0,6 da pressão superficial terrestre).[11] Existem no planeta vastos vulcões como o Olympus Mons e aberturas de vales como o Valles Marineris, o que mostra que a atividade geológica pode ter persistido recentemente ou a dois mil anos atrás.[12] A sua cor avermelhada provém do óxido de ferro (ferrugem) em seu solo.[13] Possui dois satélites naturais (Fobos e Deimos), provavelmente asteroides capturados.[14]

Cintura de asteroides

Asteroides são geralmente pequenos corpos do Sistema Solar compostos principalmente por minerais rochosos e metálicos refratórios, com algum gelo.[15]
O Cinturão de asteroides ocupa a órbita entre Marte e Júpiter, entre 2,3 e 3,3 AU do Sol. Se pensa ser os restos da formação do Sistema Solar que não se aglutinaram por causa da interferência gravitacional de Júpiter.[16]
O tamanho dos asteroides varia de algumas centenas de quilômetros até o nível microscópico. Todos os asteroides exceto o mais largo, Ceres, são classificados como pequenos corpos do Sistema Solar, mas alguns asteroides como o Vesta e Hygiea podem ser reclassificados como planetas anãos se for mostrado que eles adquiriram equilíbrio hidrostático.[17]
O cinturão de asteroides contém dezenas de milhares, possivelmente milhões, de objetos acima de um quilômetro de diâmetro.[18] Apesar disso, a massa total do cinturão de asteroides dificilmente ultrapassaria mais de mil vezes a da Terra.[19] O cinturão de asteroides é muito espaçadamente povoado; sondas espaciais passam rotineiramente através dele sem incidentes. Asteroides com diâmetro entre 10 e 10−4 m são chamados de meteoroides.[20]

Os planetas anões

Planeta anão é um corpo celeste muito semelhante a um planeta, dado que orbita em volta do Sol e possui gravidade suficiente para assumir uma forma com equilíbrio hidrostático (aproximadamente esférico), porém não possui uma órbita desimpedida, orbitando com milhares de outros pequenos corpos celestes.
Ceres, que até meados do século XIX era considerado um planeta principal, orbita numa região do sistema solar conhecida como cinturão de asteroides. Por fim, nos confins do sistema solar, para além da órbita de Netuno, numa imensa região de corpos celestes gelados, encontram-se Plutão e o recentemente descoberto Éris. Até 2006, considerava-se, também, Plutão como um dos planetas principais. Hoje, Plutão, Ceres, Éris, Makemake e Haumea são considerados como "planetas anões".

As luas e os anéis

Satélites naturais ou luas são objetos de dimensões consideráveis que orbitam os planetas. Compreendem pequenos astros capturados da cintura de asteroides, como as luas de Marte e dos planetas gasosos, até astros capturados da cintura de Kuiper como o caso de Tritão no caso de Neptuno ou até mesmo astros formados a partir do próprio planeta através do impacto de um protoplaneta, como o caso da Lua da Terra.
Os planetas gasosos têm pequenas partículas de pó e gelo que os orbitam em enormes quantidades, são os chamados anéis planetários, os mais famosos são os anéis de Saturno.

Corpos menores

A classe de astros chamados "corpos menores do sistema solar" inclui vários objetos diferenciados como são os asteroides, os transneptunianos, os cometas e outros pequenos corpos.

Asteroides

Os asteroides são astros menores do que os planetas, normalmente em forma de batata, encontrando-se na maioria na órbita entre Marte e Júpiter e são compostos por partes significativas de minerais não-voláteis. A região em que orbitam é conhecida como Cintura de asteroides. Nela localiza-se também um planeta anão, Ceres, que tem algumas características próprias de asteroide, mas não é um asteroide. Estes são subdivididos em grupos e famílias de asteroides baseados em características orbitais específicas. Nota-se que existem luas de asteroides, que são asteroides que orbitam asteroides maiores, que, por vezes, são quase do mesmo tamanho do asteroide que orbitam.
Os asteroides troianos estão localizados nos pontos de Lagrange dos planetas, e orbitam o Sol na mesma órbita que um planeta, à frente e atrás deste.
As sementes das quais os planetas se originaram são chamadas de planetésimos: são corpos subplanetários que existiram durante os primeiros anos do sistema solar e que não existem no sistema solar recente. O nome é também usado por vezes para referir os asteroides e os cometas em geral ou para asteroides com menos de 10 km de diâmetro.

Centauros

Os centauros são astros gelados semelhantes a cometas que têm órbitas menos excêntricas e que permanecem na região entre Júpiter e Netuno, mas são muito maiores que os cometas. O primeiro a ser descoberto foi Quíron, que tem propriedades parecidas com as de um cometa e de um asteroide.
O maior centauro conhecido, 10199 Chariklo, tem um diâmetro aproximado de 250 km. [21] Quíron, por sua vez, foi reclassificado como cometa (95P) uma vez que desenvolveu uma coma assim como um cometa ao se aproximar do Sol. [22]

Transneptunianos

Os transneptunianos são corpos celestes gelados cuja distância média ao Sol encontra-se para além da órbita de Neptuno, com órbitas superiores a 200 anos e são semelhantes aos centauros.
Pensa-se que os cometas de curto período sejam originários desta região. Os planetas anões Plutão e Éris encontram-se, também, nesta região.
O primeiro transnetuniano foi descoberto em 1992. No entanto, Plutão, que já era conhecido há quase um século, orbita nesta região do sistema solar.

Meteoroides

São corpos celestes que possuem dimensões relativamente menores do que os asteroides são chamados meteoroides. São constituídos por rocha e ferro ou apenas rocha.Muitos meteoroides são apenas pedaços de asteroides ou cometas. Aproximadamente entre 100 µm e 50 m (diametro máximo) o meteoroide é um corpo menor do sistema solar.

Cometas

Cometa Hale-Bopp
Cometas são corpos menores do Sistema Solar, tipicamente com poucos quilômetros de tamanho, compostos basicamente de gelos voláteis. Eles têm órbitas altamente excêntricas, geralmente com um periélio dentro da órbita de um dos planetas interiores e um afélio bem depois de Plutão. Quando um cometa entra no Sistema Solar interior, sua proximidade do Sol causa a sublimação e ionização do gelo na superfície, criando uma coma: uma longa cauda de de gás e poeira às vezes visível a olho nu.
Cometas de curto período tem órbitas de menos de duzentos anos enquanto de longo período tem de mais mil anos. Acredita-se que os de curta duração foram formados no cinturão de Kuiper, enquanto os de longo período, como por exemplo o Hale-Bopp, foram formados na nuvem de Oort. Muitos grupos de cometas, tais como os Kreutz Sungrazers, foram formados da divisão de um único corpo.[23] Alguns cometas com órbitas hiperbólicas podem ter sido formados fora do Sistema Solar, mas determinar sua órbita precisa é difícil.[24] Cometas antigos que já perderam todos os gases voláteis pelo aquecimento do Sol são algumas vezes categorizados como asteróides.[25]

Região transneptuniana

A área após Netuno, ou a "região transneptuniana", ainda é amplamente inexplorada. Parece consistir de forma preponderante de pequenos planetas (o maior tendo um quinto do diâmetro da Terra e a massa menor que a da Lua) compostos basicamente de rocha e gelo. Esta região é algumas vezes conhecida como o "Sistema Solar exterior", embora outros usem o termo para se referir a região além do cinturão de asteróides.

Cintura de Kuiper

Disposição de todos os objetos conhecidos do cinturão de Kuiper, posicionados em relação aos quatro planetas exteriores.
A cintura de Kuiper, ou cinturão de Kuiper, é um grande anel de detritos semelhantes ao cinturão de asteroides, onde o gelo é a sua principal composição. Estende entre trinta e cinquenta unidades astronômicas do Sol. Contém muitos dos pequenos corpos do Sistema Solar. Entretanto, muitos dos maiores corpos da cintura de Kuiper, como Quaoar, Varuna e Orcus, são classificados como planetas anões. Estima-se que mais de cem mil corpos do cinturão de Kuiper tenham diâmetro superior a cinquenta quilômetros, embora sua massa seja correspondente a apenas um décimo ou um centésimo da massa da Terra.[26] Alguns objetos do cinturão têm inúmeros satélites,[27] e alguns outros têm órbitas que o levam fora da classificação do plano da eclíptica.[28]
O cinturão de Kuiper pode dividido a grosso modo em um cinturão "clássico" e os ressonantes, que tem a órbita ligada a Netuno (e.g. duas vezes para cada três de Netuno, ou uma para cada duas). A primeira ressonância começa dentro da própria órbita de Netuno. O cinturão clássico consiste de objetos que não tem ressonância com Netuno, e se extendem por aproximadamente 39,4 47,7 UA.[29] Membros do cinturão clássico são classificados como cubewanos, após o primeiro do tipo ter sido descoberto, (15760) 1992 QB1, e estão situados primordiamente em um órbita de baixa excentricidade.[30]

Plutão e Caronte

Comparação entre Éris, Plutão, Makemake, Haumea, Sedna, Orcus, 2007 OR10, Quaoar, e a Terra (todos em escala)
Plutão (39 AU em média), um planeta anão, é o maior objeto conhecido no cinturão de Kuiper. Quando descoberto em 1930, foi considerado o nono planeta; isto foi alterado em 2006 com a adoção formal da definição de planeta. Plutão tem uma órbita consideravelmente excêntrica inclinada em 19 graus em relação ao plano eclíptico e variando de 29,7 UA a partir do Sol no perihélio (dentro da órbita de Netuno) para 49,5 UA no afélio.
Caronte, a maior lua de Plutão, é algumas vezes descrita como parte de um sistema binário com Plutão, uma vez que os dois corpos orbitam um centro de massas de gravidade sobre suas superfícies (i.e., eles parecem "orbitar um ao outro"). Além de Caronte outras duas luas menores, Nix e Hidra, orbitam o sistema.
Plutão tem uma ressonância orbital de 3:2 com Netuno, o que significa que Plutão orbita duas vezes ao redor do Sol a cada três órbitas completas de Netuno. Objetos do cinturão de Kuiper que também têm esta ressonância são denominados plutinos.[31]

Haumea e Makemake

Haumea (43.34 AU em média) e Makemake (45.79 AU em média), embora sejam menores que Plutão, são os maiores objetos conhecidos no cinturão "clássico", ou seja, não estão em ressonância com a órbita de Netuno. Haumea tem o formato de um ovo e possui duas luas enquanto Makemate é o objeto mais brilhante do cinturão de Kuiper depois de Plutão. Originalmente denominados 2003 EL61 e 2005 FY9 respectivamente, eles foram recategorizados como planetas anões em 2008.[32] Suas órbitas estão mais inclinadas que a de Plutão, com 28° e 29° respectivamente.[33]

Disco disperso

Acredita-se que o disco disperso, que sobrepõe o cinturão de Kuiper mas se estende muito mais além, seja a fonte de cometas de curto período e que objetos da região tenham sido ejetados em órbitas erráticas pela influência gravitacional da migração de Netuno. A maioria dos objetos do disco disperso tem o perihélhio dentro do cinturão de Kuiper mas o afélio estão a mais de 150 UA do Sol. A órbita destes objetos são altamente inclinadas em relação ao plano elíptico, e alguns são quase perpendiculares a este. Alguns astrônomos consideram que o disco disperso seja meramente outra regão do cinturão de Kuiper, e descrevem os objetos do disco disperso como "objetos do cinturão de Kuiper dispersos."[34] Alguns astrônomos também classificam os centauros como objetos internos do cinturão de Kuiper junto com os objetos externos do disco.[35]

Éris

Éris é o maior objeto conhecido do disco disperso e causa debate se deve ser classificado como um planeta uma vez que sua massa é 25% superior a de Plutão[36] e com quase o mesmo diâmetro. É o mais massivo dos planetas anões conhecidos e tem uma lua, Disnomia. Assim como Plutão, sua órbita é altamente excêntrica com um perihélio de 38.2 UA (aproximadamente a distância de Plutão do Sol) e um afélio de 97.6 UA, de forma inclinada ao plano eclíptico.

Regiões mais distantes

O ponto em que o Sistema Solar termina e o espaço interestelar começa não é precisamente definido, uma vez que as fronteiras externas são formadas por duas forças distintas: o vento e a gravidade solar. O limite exterior da influência do vento solar é definido como aproximadamente quatro vezes a distância de Plutão do Sol; esta heliopausa é considerada o começo do meio interestelar.[37] Entretanto acredita-se que a esfera de Hill do Sol, o alcance efetivo de seu domínio gravitacional, se estende por mil vezes esta distância.[38]

Heliopausa

Representação da Voyager entrando na heliosheath.
A Heliosfera é dividia em duas regiões separadas. O vento solar viaja a uma velocidade aproximada de 400 km/s até colidir com o vento interestelar; o fluxo de plasma no meio interestelar. A colisão ocorre na zona de choque terminal, que está a cerca de 80–100 UA a partir do Sol no sentido do meio interestelar e cerca de 200 UA a partir do meio interestelar no sentido do Sol. Neste ponto o vento diminui drasticamente, condensa e se torna mais turbulento,[39] formando uma grande estrutura oval conhecida como heliosheath. Acreditava-se que esta estrutura foesse parecida e se comportasse como a cauda de um cometa, se extendo por mais de 40 UA no sentido do vento entretanto evidências da sonda Cassini-Huygens e do satélite Interstellar Boundary Explorer tem sugerido que esta é de fato no formato de uma bolha devido a ação de contração do campo magnético do meio interestelar.[40] Tanto a Voyager 1 quanto Voyager 2 relataram ter passado pela zona de choque terminal entrando na heliosheath a uma distância de 94 e 84 UA a partir do Sol, respectivamente.[41][42] A fronteira externa da heliosfera, a Heliopausa, é o ponto em que o vento solar finalmente termina e começa o espaço interestelar médio.[37]
O aspecto e a forma da margem externa da heliosfera parecem ser afetados pela dinâmica dos fluidos da interação com o meio interestelar[39] assim como pelo campo magnético solar prevalece sobre o sul, e.g. distorcendo o norte da heliosfera que se estende por 9UA além do hemisfério sul. Além da heliopausa, a cerca de 230 UA reside o bow shock, um "rastro" de plasma deixado pelo Sol a medida que este viaja pela Via Láctea.[43]
Nenhuma espaçonave ultrapassou ainda a heliopausa, portanto é impossível saber com certeza as condições do espaço interestelar. A expectativa é de que as sondas do Programa Voyager irão ultrapassar a heliosfera em algum ponto dentro da próxima década e transmitir dados importantes sobre os níveis de radiação e vento solar de volta para a Terra.[44] o quão bem a heliosfera protege o Sistema Solar dos raios cósmicos ainda é pouco entendido. Uma equipe financiada pela NASA tem desenvolvido um conceito de "Vision Mission" dedicado a enviar sondas para a heliosfera.[45][46]

Nuvem de Oort

Representação artística da nuvem de Oort, os Hills Cloud e o cinturão de Kuiper belt
A hipotética nuvem de Oort é uma nuvem esférica com mais de um trilhão de objetos glaciais que acredita-se ser a fonte de todos os cometas de longos períodos que cercam o Sistema Solar a uma distância aproximada de 50,000 UA (em torno de 1 ano-luz), e possivelmente até a distância de 100,000 UA. Acredita-se que seja composta de cometas que foram ejetados do Sistema Solar interior pela interação gravitacional dos planetas externos. Os objetos da nuvem de Oort se movem muito devagar, e podem ser perturbados por eventos infrequentes tais como colisões, efeitos gravitacionais de uma estrela em trânsito, ou a maré galáctica, a força de maré exercida pela Via Láctea.[47][48]

Sedna

90377 Sedna (525.86 UA em média) é um grande objeto avermelhado parecido com Plutão com uma orbita gigante altamente elíptica que tem 76 Ua no periélio e 928 UA no afélio e leva 12050 de período orbital. Michael E. Brown, que descobriu o objeto em 2003, afirma que este não pode ser parte do disco disperso ou do cinturão de Kuiper pois seu periélio é muito distante para ser afetado pela migração de Netuno. Ele e outros astrônomos consideram que seja o primeiro objeto de uma nova população, que pode também incluir o objeto 2000 CR105, que tém um perihélio de 45 UA e um afélio de 415 AU com um período orbital de 3420 anos.[49] Brown denominou esta população como "Nuvem de Oort interior", podendo ter sido formada por um processo similar, embora esteja mais próxima do Sol.[50] Sedna é parecido com um planeta anão, embora seu formato ainda não tenha sido determinado com certeza.

Fronteiras

Muito do nosso Sistema Solar ainda é desconhecido. Estima-se que o campo gravitacional solar supera a forma das estrelas próximas num raio de dois anos-luz (125 mil UA). Estimativas inferiores para o raio da nuvem de Oort, por outro lado, não o colocal a mais de 50,000 UA.[51] Apesar de descobertas tais como de Sedna, a região entre o cinturão de Kuiper e a nuvem de Oort, uma área com dezenas de milhares de unidades astronômicas de raio está virtualmente não-mapeada. Existem também estudos em desenvolvimento para a região entre Mercúrio e o Sol,[52] e objetos ainda podem ser descobertos nas regiões não-mapeadas do Sistema Solar.

Contexto galáctico

Localização do Sistema Solar dentro da Via Láctea.
O Sistema Solar está localizado em uma galáxia denominada Via Láctea, uma galáxia espiral barrada, com um diâmetro de cerca de cem mil anos-luz, contendo cerca de 200 bilhões de estrelas.[53] A nossa estrela, o Sol, está residida em um dos braços exteriores da Via Láctea em espiral, conhecida como Braço de Órion.[54] O Sol se localiza entre vinte e cinco e vinte e oito mil anos-luz do centro galáctico,[55] e sua velocidade dentro da Via Láctea é de cerca de duzentos e vinte quilômetros por segundo, levando cerca de 225–250 milhões de anos até completar uma revolução. Essa revolução é conhecida como o ano galáctico do Sistema Solar. O ápice solar, que é a direção do caminho do Sol no espaço interestelar, localiza-se próximo à constelação de Hércules, na atual direção de uma estrela brilhante, conhecida como Vega.[56] O plano da eclíptica do Sistema Solar está em um ângulo de aproximadamente sessenta graus em relação ao plano galáctico.[f]
Acredita-se que a localização do Sistema Solar na nossa galáxia tenha sido um fator na evolução da vida terrestre. Sua órbita não é circular e, sim, elíptica, com uma velocidade quase igual a dos braços espirais, o que significa que passa por eles apenas raramente. Os braços espirais são o lar de uma concentração muito maior de supernovas potencialmente perigosos, que deram longos períodos de estabilidade interestelar na Terra até a vida evoluir.[57] O Sistema Solar está fora do entorno de estrelas movimentadas do centro galáctico. Próximo ao centro, empuxos gravitacionais de estrelas próximas chegam a perturbar corpos na nuvem de Oort e enviar muitos cometas no interior do Sistema Solar, que acabam produzindo catastróficas consequências para a vida na Terra. A intensa radiação do centro galáctico também pode interferir com o desenvolvimento de uma vida complexa.[57] Mesmo com a atual localização do Sistema Solar, alguns cientistas têm a hipótese de que uma supernova recente pode ter prejudicado a vida nos últimos 35 mil anos, pelo fato de ter arremessado pedaços expulsos do núcleo estelar para o Sol como grãos de poeira radioativa e maiores, os corpos de cometa.[58]

Vizinhança

A vizinhança galáctica próxima do Sistema Solar é conhecida como Nuvem Interestelar Local, uma area de densas nuvens de uma outra forma esparsa conhecida como Bolha Local, uma cavidade em forma de ampulheta no meio interestelar com aproximadamente 300 anos-luz de comprimento. Esta bolha é repleta de plasma de alta temperatura o que sugere ser o produto de uma supernova recente.[59]
Existem relativamente poucas estrelas dentro de uma distância de dez anos-luz do Sol. A estrela mais próxima é o sistema triplo de estrelas Alpha Centauri, que está a 4,4 anos-luz de distância. Alpha Centauri A e B são um par de estrelas parecidas com o Sol, enquanto a pequena anã vermelha Alpha Centauri C (também conhecida como Proxima Centauri) orbita este par a uma distância de 0,2 anos-luz. As próximas estrelas perto do Sol são as anãs vermelhas Estrela de Barnard (a 5,9 anos-luz), Wolf 359 (7,8 anos-luz) e Lalande 21185 (8.3 anos-luz). A maior estrela numa distância de dez anos-luz é Sírius, uma estrela na sequência principal estelar com aproximadamente o dobro da massa solar e orbitada por uma anã branca chamada Sírius B, situada a 8,6 anos-luz. As estrelas restantes dentro de dez anos-luz são o sistema binário de anãs vermelhas Luyten 726-8 (8,7 anos-luz) e a anã vermelha solitária Ross 154 (9,7 anos-luz).[60] A estrela mais próxima parecida com o Sol é Tau Ceti, que dista 11,9 anos-luz de distância e tem uma massa de aproximadamente 80% da solar, mas com apenas 60% da luminosidade solar.[61] O planeta extrasolar mais próximo do Sistema Solar está situado na estrela Epsilon Eridani que é ligeiramente mais escura e vermelha que o Sol, distando 10,5 anos-luz de distância. Existe um planeta confirmado Epsilon Eridani b, que tem aproximadamente 1,5 vezes a massa de Júpiter e tem um período orbital de 6,9 anos terrestres.[62]
Uma série de cinco mapas estelares que mostram a localização da Terra no Sistema Solar, do Sol na vizinhança, na área próxima da via Láctea, e no local do grupo de Galáxias, e no supercluster de galáxias.

Formação e evolução

Linha de tempo projetada para o Sol.
O Sistema Solar foi formado pelo colapso gravitacional de uma nuvem molecular há 4,568 bilhões de anos.[nota 1] Esta nuvem inicial tinha provavelmente vários anos-luz de diâmetro e deu origem a várias estrelas.[64]
Como a região que se tornaria o Sistema Solar, conhecida como a névoa pré-solar,[65] colapsou, a conservação do momento angular a fez girar mais rápido. O centro, onde a maioria da massa se agrupou, tornou-se progressivamente mais quente que o disco a volta com uma quente e densa protoestrela ao centro.[66][67] Neste ponto de sua evolução, acredita-se que o sol tenha sido uma Estrela T Tauri. Estudos das estrelas T Tauri demonstra que elas algumas vezes são acompanhadas de um disco de matéria pré-planetário com 0,001–0.1 massas solares, com a grande maioria da massa da névoa na própria estrela.[68] Os planetas foram formados pela acreção deste disco.[69]
Dentro de 50 milhões de anos, a pressão e a densidade do hidrogênio no centro da protoestrela tornaram-se grandes o suficiente para começar a fusão termonuclear.[70] A temperatura, velocidade de reação, pressão, e densidade aumentaram até que o equilíbrio hidroestático foi alcançado, com a energia termal contendo a força da contração gravitacional. Neste ponto o sol se tornou uma estrela completa da sequência principal.[71]
O Sistema Solar como nós conhecemos irá durar até o Sol começar a sair da sequência principal do diagrama de Hertzsprung-Russell. Como o Sol queima seu suprimento de hidrogênio combustível, a energia que mantém o núcleo tende a decrescer, causando o colapso do mesmo. O aumento da pressão aquece o núcleo, que queima mais rápido e como resultado, o Sol está se tornando mais brilhante a uma taxa de aproximadamente dez porcento a cada 1,1 bilhão de anos.[72]
Daqui a aproximadamente 5,4 bilhões de anos, o Hidrogênio no núcleo irá terá sido completamente convertido em Hélio, terminando a fase da sequência principal. Com o término da reação de hidrogênio, o núcleo irá se contrair ainda mais, aumentando a pressão e a temperatura, causando a fusão que inicia o processo do Hélio. O Hélio no núcleo queima a uma temperatura muito maior, e a energia de saída será muito maior que durante o processo do hidrogênio. Neste período, a camada externa do solar irá se espandir a aproximadamente 260 vezes o atual diâmetro e a estrela se tornará uma gigante vermelha. Por causa deste aumento da área de superfície, esta irá ser consideravelmente mais fria do que na sequência principal (2600 K a mais fria).[73]
Eventualmente, o Hélio no núcleo irá se exaurir numa taxa muito mais rápida do que o hidrogênio, e a fase de combustão será apenas uma fração de tempo comparada com a do Hidrogênio. O sol não é massivo o suficiente para começar a fusão de elementos mais pesados, e as reações nucleares no núcleo irão definhar. Suas camadas externas cairão no espaço deixando uma anã branca, um objeto extraordinariamente denso, com metade da massa original do Sol porém com apenas o tamanho da Terra.[74] As camadas externas ejetadas irão formar o que é conhecido como a nebulosa planetária, retornando parte do material que formou o Sol para o meio interestelar.

Galeria

Sumário visual composto por imagens centradas de alguns astros do sistema solar, seleccionadas pelo tamanho e detalhe e ordenadas pelo volume dos corpos. O Sol é aproximadamente 10.000 vezes maior e 41 triliões de vezes mais volumoso que o objecto mais pequeno exposto, Prometeu.
Sistema Solar
TheSun.png
Jupiter on 2010-06-07 (captured by the Hubble Space Telescope).jpg
Saturn closeup.jpg
Uranus2.jpg
Neptune.jpg
The Earth seen from Apollo 17.jpg
Venus-real.jpg
Sol Júpiter Saturno Úrano Neptuno Terra Vénus
Mars Hubble.jpg
Ganymede g1 true 2.jpg
Two Halves of Titan.png
Mercury in color - Prockter07 centered.jpg
Callisto.jpg
Io highest resolution true color.jpg
Full Moon Luc Viatour.jpg
Marte Ganímedes Titã Mercúrio Calisto Io Lua
Europa-moon.jpg
Triton Voyager 2.jpg
Titania (moon) color cropped.jpg
PIA07763 Rhea full globe5.jpg
Voyager 2 picture of Oberon.jpg
Iapetus as seen by the Cassini probe - 20071008.jpg
Umbriel moon 1.gif
Europa Tritão Titânia Réia Oberon Jápeto Umbriel
Ariel-NASA.jpg
Dione (Mond) (30823363).jpg
Inset-sat tethys-large.jpg
Dawn-image-070911.jpg
Enceladus from Voyager.jpg
Miranda.jpg
Proteus Voyager 2 croped.jpg
Ariel Dione Tétis Vesta Encélado Miranda Proteu
Mimas moon.jpg
Hyperion in natural colours.jpg
Phoebe cassini.jpg
PIA12714 Janus crop.jpg
Amalthea (moon).gif
PIA09813 Epimetheus S. polar region.jpg
Prometheus 12-26-09a.jpg
Mimas Hipérion Fobos (satélite) Jano Amalteia Epimeteu Prometeu

Ver também

Notas

  1. A data é baseada na mais antiga inclusão encontrada até hoje em meteoritos, e acreditase que seja a data de formação do primeiro material sólido na névoa colapsando.[63]

Referências

  1. WC Rufus. . "The astronomical system of Copernicus". Popular Astronomy 31.
  2. Inner Solar System. NASA Science (Planets). Página visitada em 9 de maio de 2009.
  3. Schenk P., Melosh H.J. (1994), Lobate Thrust Scarps and the Thickness of Mercury's Lithosphere, Abstracts of the 25th Lunar and Planetary Science Conference, 1994LPI....25.1203S
  4. Bill Arnett (2006). Mercury. The Nine Planets. Página visitada em 14 de setembro de 2006.
  5. Benz, W., Slattery, W. L., Cameron, A. G. W. (1988), Collisional stripping of Mercury's mantle, Icarus, v. 74, p. 516–528.
  6. Cameron, A. G. W. (1985), The partial volatilization of Mercury, Icarus, v. 64, p. 285–294.
  7. Mark Alan Bullock. (1997). "The Stability of Climate on Venus" (PDF). Southwest Research Institute.
  8. Paul Rincon (1999). Climate Change as a Regulator of Tectonics on Venus (PDF). Johnson Space Center Houston, TX, Institute of Meteoritics, University of New Mexico, Albuquerque, NM. Página visitada em 2006-11-19.
  9. Is there life elsewhere?. NASA Science (Big Questions). Página visitada em 21 de maio de 2009.
  10. Anne E. Egger, M.A./M.S.. Earth's Atmosphere: Composition and Structure. VisionLearning.com. Página visitada em 26 de dezembro de 2006.
  11. David C. Gatling, Conway Leovy. In: Lucy-Ann McFadden et. al.. Encyclopaedia of the Solar System. [S.l.: s.n.], 2007. 301–314 p.
  12. David Noever (2004). Modern Martian Marvels: Volcanoes?. NASA Astrobiology Magazine. Página visitada em 23 de julho de 2006.
  13. Mars: A Kid's Eye View. NASA. Página visitada em 14 de maio de 2009.
  14. Scott S. Sheppard, David Jewitt, and Jan Kleyna (2004). A Survey for Outer Satellites of Mars: Limits to Completeness. The Astronomical Journal. Página visitada em 2006-12-26.
  15. Are Kuiper Belt Objects asteroids? Are large Kuiper Belt Objects planets?. Cornell University. Página visitada em 2009-03-01.
  16. Petit, J.-M.; Morbidelli, A.; Chambers, J.. (2001). "The Primordial Excitation and Clearing of the Asteroid Belt" (PDF). Icarus 153 (2): 338–347. DOI:10.1006/icar.2001.6702. Bibcode2001Icar..153..338P.
  17. IAU Planet Definition Committee. International Astronomical Union (2006). Página visitada em 2009-03-01.
  18. New study reveals twice as many asteroids as previously believed. ESA (2002). Página visitada em 2006-06-23.
  19. Krasinsky, G. A.; Pitjeva, E. V.; Vasilyev, M. V.; Yagudina, E. I. (July 2002). "Hidden Mass in the Asteroid Belt". Icarus 158 (1): 98–105. DOI:10.1006/icar.2002.6837. Bibcode2002Icar..158...98K.
  20. Beech, M.; Duncan I. Steel. (September 1995). "On the Definition of the Term Meteoroid". Quarterly Journal of the Royal Astronomical Society 36 (3): 281–284. Bibcode1995QJRAS..36..281B.
  21. John Stansberry, Will Grundy, Mike Brown, Dale Cruikshank, John Spencer, David Trilling, Jean-Luc Margot (2007). Physical Properties of Kuiper Belt and Centaur Objects: Constraints from Spitzer Space Telescope. Página visitada em 2008-09-21.
  22. Patrick Vanouplines (1995). Chiron biography. Vrije Universitiet Brussel. Página visitada em 2006-06-23.
  23. Sekanina, Zdenek. (2001). "Kreutz sungrazers: the ultimate case of cometary fragmentation and disintegration?". Publications of the Astronomical Institute of the Academy of Sciences of the Czech Republic 89 p.78–93.
  24. Królikowska, M.. (2001). "A study of the original orbits of hyperbolic comets". Astronomy & Astrophysics 376 (1): 316–324. DOI:10.1051/0004-6361:20010945.
  25. Fred L. Whipple (1992-04). The activities of comets related to their aging and origin. Página visitada em 2006-12-26.
  26. Audrey Delsanti and David Jewitt (2006). The Solar System Beyond The Planets (PDF). Institute for Astronomy, University of Hawaii. Arquivado do original em 29 de janeiro de 2007. Página visitada em 3 de janeiro de 2007.
  27. M. E. Brown, M. A. van Dam, A. H. Bouchez, D. Le Mignant, R. D. Campbell, J. C. Y. Chin, A. Conrad, S. K. Hartman, E. M. Johansson, R. E. Lafon, D. L. Rabinowitz, P. J. Stomski, Jr., D. M. Summers, C. A. Trujillo, and P. L. Wizinowich (2006). Satellites of the Largest Kuiper Belt Objects. Página visitada em 24 de junho de 2007.
  28. Chiang et al.. (2003). "Resonance Occupation in the Kuiper Belt: Case Examples of the 5:2 and Trojan Resonances". The Astronomical Journal 126 (1): 430–443. DOI:10.1086/375207.
  29. M. W. Buie, R. L. Millis, L. H. Wasserman, J. L. Elliot, S. D. Kern, K. B. Clancy, E. I. Chiang, A. B. Jordan, K. J. Meech, R. M. Wagner, D. E. Trilling (2005). Procedures, Resources and Selected Results of the Deep Ecliptic Survey. Lowell Observatory, University of Pennsylvania, Large Binocular Telescope Observatory, Massachusetts Institute of Technology, University of Hawaii, University of California at Berkeley. Página visitada em 7 de setembro de 2006.
  30. E. Dotto1, M.A. Barucci2, and M. Fulchignoni (24 de agosto de 2006). Beyond Neptune, the new frontier of the Solar System (PDF). Página visitada em 26 de dezembro de 2006.
  31. Fajans, J.; L. Frièdland. (October 2001). "Autoresonant (nonstationary) excitation of pendulums, Plutinos, plasmas, and other nonlinear oscillators". American Journal of Physics 69 (10): 1096–1102. DOI:10.1119/1.1389278.
  32. Dwarf Planets and their Systems. União Astronômica Internacional. Página visitada em 2 de julho de 2012.
  33. Marc W. Buie (5 de abril de 2008). Orbit Fit and Astrometric record for 136472. Página visitada em 13 de julho de 2008.
  34. David Jewitt (2005). The 1000 km Scale KBOs. University of Hawaii. Página visitada em 16 de julho de 2006.
  35. List Of Centaurs and Scattered-Disk Objects. IAU: Minor Planet Center. Página visitada em 2 de abril de 2007.
  36. Michael E. Brown and Emily L. Schaller. (2007). "The Mass of Dwarf Planet Eris" (abstract page). Science 316 (5831). DOI:10.1126/science.1139415. PMID 17569855.
  37. a b Voyager Enters Solar System's Final Frontier. NASA. Página visitada em 2007-04-02.
  38. Littmann, Mark. Planets Beyond: Discovering the Outer Solar System. [S.l.]: Courier Dover Publications, 2004. 162–163 p. ISBN 9780486436029
  39. a b Fahr, H. J.; Kausch, T.; Scherer, H.. (2000). "A 5-fluid hydrodynamic approach to model the Solar System-interstellar medium interaction" (PDF). Astronomy & Astrophysics 357. Bibcode2000A&A...357..268F. See Figures 1 and 2.
  40. NASA/JPL (2009). Cassini's Big Sky: The View from the Center of Our Solar System. Página visitada em 2009-12-20.
  41. Stone, E. C.; Cummings, A. C.; McDonald, F. B.; Heikkila, B. C.; Lal, N.; Webber, W. R.. (September 2005). "Voyager 1 explores the termination shock region and the heliosheath beyond". Science 309 (5743): 2017–20. DOI:10.1126/science.1117684. PMID 16179468.
  42. Stone, E. C.; Cummings, A. C.; McDonald, F. B.; Heikkila, B. C.; Lal, N.; Webber, W. R.. (July 2008). "An asymmetric solar wind termination shock". Nature 454 (7200): 71–4. DOI:10.1038/nature07022. PMID 18596802.
  43. P. C. Frisch (University of Chicago) (June 24, 2002). The Sun's Heliosphere & Heliopause. Astronomy Picture of the Day. Página visitada em 2006-06-23.
  44. Voyager: Interstellar Mission. NASA Jet Propulsion Laboratory (2007). Página visitada em 2008-05-08.
  45. R. L. McNutt, Jr. et al. (2006). "Innovative Interstellar Explorer". Physics of the Inner Heliosheath: Voyager Observations, Theory, and Future Prospects 858: 341–347, AIP Conference Proceedings. DOI:10.1063/1.2359348. 
  46. Anderson, Mark (2007-01-05). Interstellar space, and step on it!. New Scientist. Página visitada em 2007-02-05.
  47. Stern SA, Weissman PR. (2001). Rapid collisional evolution of comets during the formation of the Oort cloud.. Space Studies Department, Southwest Research Institute, Boulder, Colorado. Página visitada em 19 de novembro de 2006.
  48. Bill Arnett (2006). The Kuiper Belt and the Oort Cloud. nineplanets.org. Página visitada em 23 de junho de 2006.
  49. David Jewitt (2004). Sedna – 2003 VB12. University of Hawaii. Página visitada em 23 de junho de 2006.
  50. Mike Brown. Sedna. CalTech. Página visitada em 2 de maio de 2007.
  51. T. Encrenaz, JP. Bibring, M. Blanc, MA. Barucci, F. Roques, PH. Zarka. The Solar System: Third edition. [S.l.]: Springer, 2004. p. 1.
  52. Durda D.D.; Stern S.A.; Colwell W.B.; Parker J.W.; Levison H.F.; Hassler D.M. (2004). A New Observational Search for Vulcanoids in SOHO/LASCO Coronagraph Images. Página visitada em 23 de julho de 2006.
  53. English, J. (2000). Exposing the Stuff Between the Stars. Hubble News Desk. Página visitada em 10 de maio de 2007.
  54. R. Drimmel, D. N. Spergel (2001). Three Dimensional Structure of the Milky Way Disk. Página visitada em 23 de julho de 2006.
  55. Eisenhauer, F.; et al.. (2003). "A Geometric Determination of the Distance to the Galactic Center". Astrophysical Journal 597 (2): L121–L124. DOI:10.1086/380188. Bibcode2003ApJ...597L.121E.
  56. C. Barbieri (2003). Elementi di Astronomia e Astrofisica per il Corso di Ingegneria Aerospaziale V settimana. IdealStars.com. Página visitada em 12 de fevereiro de 2007.
  57. a b Leslie Mullen (2001). Galactic Habitable Zones. Astrobiology Magazine. Página visitada em 23 de junho de 2006.
  58. Supernova Explosion May Have Caused Mammoth Extinction. Physorg.com (2005). Página visitada em 2 de fevereiro de 2007.
  59. Near-Earth Supernovas. NASA. Página visitada em 23 de julho de 2006.
  60. Stars within 10 light years. SolStation. Página visitada em 2 de abril de 2007.
  61. Tau Ceti. SolStation. Página visitada em 2 de abril de 2007.
  62. HUBBLE ZEROES IN ON NEAREST KNOWN EXOPLANET. Hubblesite (2006). Página visitada em 13 de janeiro de 2008.
  63. A. Bouvier and M. Wadhwa.. (2010). "The age of the solar system redefined by the oldest Pb-Pb age of a meteoritic inclusion.". Nature Geoscience. DOI:10.1038/NGEO941.
  64. Lecture 13: The Nebular Theory of the origin of the Solar System. University of Arizona. Página visitada em 27 de dezembro de 2006.
  65. Irvine, W. M.. The chemical composition of the pre-solar nebula. Amherst College, Massachusetts. Página visitada em 15 de fevereiro de 2006.
  66. Greaves, Jane S.. (1 de julho de 2005). "Disks Around Stars and the Growth of Planetary Systems". Science 307 (5706): 68–71. DOI:10.1126/science.1101979. PMID 15637266.
  67. Present Understanding of the Origin of Planetary Systems. National Academy of Sciences (5 de abril de 200). Página visitada em 19 de janeiro de 2007.
  68. M. Momose, Y. Kitamura, S. Yokogawa, R. Kawabe, M. Tamura, S. Ida (2003). "Investigation of the Physical Properties of Protoplanetary Disks around T Tauri Stars by a High-resolution Imaging Survey at lambda = 2 mm" (PDF). Ikeuchi, S., Hearnshaw, J. and Hanawa, T. (eds.) The Proceedings of the IAU 8th Asian-Pacific Regional Meeting, Volume I 289: 85, Astronomical Society of the Pacific Conference Series. 
  69. Boss, A. P.. (2005). "Chondrule-forming Shock Fronts in the Solar Nebula: A Possible Unified Scenario for Planet and Chondrite Formation". The Astrophysical Journal 621: L137. DOI:10.1086/429160.
  70. Sukyoung Yi; Pierre Demarque; Yong-Cheol Kim; Young-Wook Lee; Chang H. Ree; Thibault Lejeune; Sydney Barnes. (2001). "Toward Better Age Estimates for Stellar Populations: The Y^{2} Isochrones for Solar Mixture". Astrophysical Journal Supplement 136: 417. DOI:10.1086/321795. Arxiv.
  71. A. Chrysostomou, P. W. Lucas. (2005). "The Formation of Stars". Contemporary Physics 46. DOI:10.1080/0010751042000275277.
  72. Jeff Hecht (1994). Science: Fiery future for planet Earth. NewScientist. Página visitada em 29 de outubro de 2007.
  73. K. P. Schroder, Robert Cannon Smith. (2008). "Distant future of the Sun and Earth revisited". Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 386: 155–163. DOI:10.1111/j.1365-2966.2008.13022.x.
  74. Pogge, Richard W. (1997). The Once & Future Sun (lecture notes). New Vistas in Astronomy. Arquivado do original em 27 de maio de 2005. Página visitada em 7 de dezembro de 2005.

Ligações externas

Commons
O Commons possui multimídias sobre Sistema Solar
Portal A Wikipédia possui o portal:
Portal de Astronomia




Ver avaliações
Avaliar esta página
Credibilidade
Imparcialidade
Profundidade
Redação
Noutras línguas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Contador de visitas